terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

POEMA PALMARENSE SOBRE UM POEMA CHILENO

(inspirado em "Ritos", de Nicanor Parra)
QUANDO EU REGRESSAR
À CIDADE ONDE NASCI
PERGUNTAREI, PRIMEIRO,
PELOS MAIS VELHOS
- PARENTES E CONHECIDOS -,
ELES TODOS SÃO HERÓIS
PELO SIMPLES FATO
DE AINDA VIVEREM LÁ.
E OS QUE MORRERAM
SEM VIAJAR NUNCA
PARA OUTRO LUGAR
SÃO MAIS DO QUE HERÓIS,
SÃO SANTOS E MÁRTIRES.
DEPOIS, PERGUNTAREI
PELOS ESQUECIDOS E INJUSTIÇADOS.
ESTES, ENTERRADOS VIVOS,
OS CÃES DA MESQUINHEZ
E OS ABUTRES POLÍTICOS
PERSEGUEM À LUZ DO DIA
E OS MANTÉM À MARGEM
DA SOCIEDADE ABJETA.
CUMPRIDO ESSE PEQUENO RITUAL
QUASE FUNERÁRIO
PODEREI ME CONSIDERAR
COM DIREITO AO SOL E À ALEGRIA DA VIDA
NA PAISAGEM PERDIDA
DA MINHA INFÂNCIA E JUVENTUDE
NA CIDADE ONDE NASCI.
ABRIREI COMO UM FRUTO
O CORAÇÃO FERIDO
PARA ESCREVER COM SANGUE
UM POEMA QUE INICIA O SÉCULO
E FAZ RENASCER A CIDADE.
JUAREIZ CORREYA
(RECIFE, 18 de janeiro/2009)

Um comentário:

Gerusa Leal disse...

Belíssimo, Juareiz.