domingo, 20 de dezembro de 2009

A FESTA, de Ascenso Ferreira



O altar armado da igreja à porta,
Tão lindo como nunca vi,
Cheirava a cravos, cheirava a rosas,
Cheirava a flor do bogari...

As barraquinhas adornadas
Com lanternas de muitas cores
Vendiam coisas cheias de odores
Broas, pastéis, doces, geladas,
Jenjibirra, abacaxis...

Um pouco abaixo o cosmorama,
Onde espantado a gente via,
Quadros de guerras encarniçadas
Vistas de terras encantadas,
-Terras de Oropa, França e Baía...

A gente ia pro carrossel,
Nos seus cavalos esquipar !
O realejo triste gemia,
Mas, dentro em nós quanta alegria,
E, quando o carrossel se ia,
Ai ! que tristeza de matar !

Ganhava a gente roupas novas,
Novo sapato, novo chapéu,
E tudo, nossos pais compravam,
Com um carinho especial,
Nada de Papais Noéis !
Nada de árvores de Natal !

Sinos tocavam dentro da noite,
Fogos subiam riscando o céu !
Jesus brilha de luz num halo
- "Meia-noite canta o galo
dizendo : - "Cristo nasceu !"

Hoje tudo broma, falsete,
Não sendo para admirar,
Que o rádio diga sobre o presepe,
Que Cristo estava "up-to-date"
E Nossa Senhora "very kar..."

Minha filhinha, Papai Noel,
É uma figura tragicômica !
Não te iludas com seus enredos
Pois que no meio dos seus brinquedos
Virá um dia a bomba atômica !

...............................

O altar armado da igreja à porta,
Tão lindo como eu nunca vi,
Cheirava a cravos, cheirava a rosas,
Cheirava a flor do bogari.




_______________________________

Do livro inédito "Xenhenhém",
incluído na edição de luxo de
POEMAS (1951), junto com os livros
publicados "Catimbó" (1927)
e "Cana Caiana" (1939).

Nenhum comentário: