sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

MELHOR É AMAR, de Juareiz Correya



melhor que morrer é viver
cair no bar
virar a esquina
andar a pé
de mão em mão
de lotação
correr de trem
não sei aonde
ir de avião
chupar o caldo
beber a cana
ser sem vergonha
e ser bacana
se depender da ocasião
ser um menino
que não se engana
que sonha muito
e cai na cama
vira Papa-Figo
de Bicho-Papão


melhor que morrer é viver
ter seu mistério
ter sua linha
crescer na conta
não na conduta
sofrer na rinha
da sua luta
sorrir na hora
dizer o nome
que quem é homem
não se consola
entrar de sola
ficar de frente
olho por olho
dente por dente
chegar mais cedo
ir logo embora


melhor que morrer é viver
ser singular
não diferente
não ser pessoa
ser mesmo é gente
correr jamais
não é preciso
não tem parada
tem é caminho
não há demência
há só juízo
pra ver o bem
se vê o mal
não vale ao mundo
saber profundo
vale no fundo
o essencial


MELHOR QUE MORRER É VIVER
MELHOR PRA VIVER É AMAR
QUEM VIVE PODE MORRER
QUEM AMA NÃO MORRERÁ




___________________________

(Do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20
a ser lançado, pela Panamérica Nordestal
Editora, neste ano de 2010)

2 comentários:

Gerusa Leal disse...

Pertinente o belo hino à vida no início de um ano novo, Juareiz, e ao amor, num ano regido por Vênus.
Abraço

Anônimo disse...

Juareiz,meu amigo,há tempos não nos vemos por aqui.Mea culpa...Mas é especial começar um novo ano vendo você , ativo e produtivo.Belo é o Amor.!..