domingo, 5 de setembro de 2010

Centenário do dramaturgo pernambucano Aristóteles Soares

O jornalista, escritor e ator Jones Melo, nascido em Catende (PE),coordena e ministra um curso /montagem sobre a dramaturgia de Aristóteles Soares, desde o dia 07/maio deste ano, com encerramento programado para dezembro/2010, quando será encenado o espetáculo VOU DANADO PRA CATENDE. Por iniciativa do Conselho Estadual de Cultura, o curso/montagem vem sendo realizado na sua sede - Rua Oliveira Lima, 813, Boa Vista, Recife, PE, nas terças e sextas-feiras, das 14 às 17h30m. As aulas prosseguem neste mês de setembro de acordo com esta programação : Sexta, 10 - "A convivência com Aristóteles" (Arilena Soares); Sexta, 17 - "Município de São Silvestre" (José Pimentel). Inscrições na sede do Conselho Estadual (telefone 34237658, com Joseli) e com Jones Melo (87773569). As aulas têm intervenções de intérpretes que viveram personagens do universo de Aristóteles, além de familiares convidados - Carlos Reis, Geninha Rosa Borges, Leda Alves, Carmem Peixoto, Clóvis Almeida e Reinaldo de Oliveira, entre outros.



QUEM É ARISTÓTELES SOARES ?


Rio Formoso, onde nasceu, no dia 7 de fevereiro de 1910, Catende, onde viveu com "a dinastia dos Soares", segundo Mauro Mota (era irmão do contista Pelópidas Soares e tio da poetisa Bartyra Soares), a região Mata Sul de Pernambuco e até mesmo as novas gerações do teatro pernambucano desconhecem Aristóteles Soares. Sabe disso Jones Melo, que há 10 anos pesquisa a vida e a obra do dramaturgo e promove, com esse curso/montagem, a primeira iniciativa cultural pernambucana em homenagem ao Centenário de Nascimento de Aristóteles Soares. Em seu projeto, Jones Melo organizou para publicação, ainda neste ano de 2010, a reunião de 7 textos do dramaturgo - CANA BRAVA, TERRA QUEIMADA, AS ÁRVORES, MUNICÍPIO DE SÃO SILVESTRE, O MESSIAS, A TROVOADA e A REPRESA. Esses textos receberam prêmios da Academia Pernambucana e da Academia Brasileira de Letras, e montagens assinadas por diretores como Pascoal Carlos Magno, Valdemar de Oliveira, Luiz Mendonça, José Pimentel e Clênio Wanderley.

Aristóteles Soares, aos 5 anos de idade, mudou-se com a família para Catende, onde estudou e criou textos que Hermilo Borba Filho denominou de "teatro nordestino".

"Na década de 1950 a obra de Aristóteles Soares despertou o interesse de grupos como o Teatro do Estudante do Brasil (Rio de Janeiro), Teatro de Amadores de Pernambuco (TAP), Teatro Popular do Nordeste (TPN), Teatro do Adolescente (Recife), Teatro da UFRPE, a imprensa e a crítica nacional. Joel Pontes, autor de O TEATRO MODERNO EM PERNAMBUCO, identificou o estilo de Aristóteles Soares como realismo sombrio,, ressalta Jones Melo.

Nenhum comentário: