sexta-feira, 12 de julho de 2013

A PALAVRA DE HERMILO BORBA FILHO







O Recife e o teatro profissional 

"Seguindo o exemplo dos grandes centros teatrais como Rio e São Paulo, o Recife dá um grande passo à frente na formação de uma mentalidade teatral no sentido profissional."   (DIARIO DA NOITE, Recife, PE, 1958) 


TPN e a valorização do autor brasileiro 

"O Teatro Popular do Nordeste mantém os mesmos princípios, em bases profissionais, que nos orientaram na campanha dos idos de 40, isto é, a valorização do autor brasileiro, pois, sem autor nacional, principalmente os do Nordeste como marca de uma região que é a mais trágica e a mais poética do Brasil, o nosso teatro não existirá." (DIARIO DA NOITE, Recife, PE, 1960) 


Nosso teatro já atingiu a sua maioridade 

"Um teatro que tem um Ariano Suassuna, por exemplo, é um teatro que já atingiu a sua maioridade.  A Ariano junte nomes como os do precursor Martins Pena e dos modernos Nelson Rodrigues e Jorge Andrade, para citar apenas os mais significativos.  Uma arte não pode ser avaliada apenas pela quantidade de artistas, mas pela qualidade."  (JORNAL DO COMMERCIO, Recife, PE, 1964) 


O autor de "Sol das Almas" 

"O livro pretende contar a história de um homem religioso que, por várias etapas, termina aniquilando-se pelo caminho do sexo.  Ao lado desse clima que me tentava, havia outro, o do suicídio..." (JORNAL DO COMERCIO, Rio de Janeiro, RJ, 1964) 


Assim fala um escritor maldito 

"Palavrão?  Que é isto?  Só conheço palavras com o seu peso, a sua medida, o seu valor. Não tenho vergonha de palavras e as emprego exatamente para, inclusive, num sentido popular puro, designar as partes
nobres do homem e da mulher, por exemplo.  São estas palavras insubstituíveis, como são na conversa, na raiva, no ato do amor"   (DIARIO DA NOITE, Recife, PE, 1970) 


O escritor e suas confissões 

"Deparei-me com um estranhíssimo quadro de um pintor flamengo surrealista e o título saiu num estalo : MARGEM DAS LEMBRANÇAS.  Deu ao livro um certo caráter memorialista mas, por outro lado, fez com que evocasse todo um passado importante, tormentoso, alucinado.  (...)  Mas, me amparava no fato de que não poupando nem a mim, por que razão iria poupar os outros ?"  (DIARIO DE PERNAMBUCO, Recife, PE, 1972) 


Cada escritor tem a sua marca e as suas raízes 

"É claro que cada escritor tem a sua marca e as suas raízes das quais é inteiramente impossível fugir de vez. (...) Eu não me situo, ou melhor, não situo a minha obra em função de um regionalismo preconcebido."  (JORNAL DO COMMERCIO, Recife, PE, 1972) 


O Henry Miller brasileiro 

"Compararem-me ao Miller foi bom para mim: fez-me perder o medo às palavras. Quem não o tem, esse medo ? Afora isso, a  literatura confessional que eu faço é tão antiga como o mundo.  Encontra-se em Santo Agostinho, em Rousseau, na Anais Nin..."  (DIARIO DE LISBOA, Lisboa, Portugal, 1972) 


___________________________________________________________
Trechos de entrevistas concedidas pelo escritor Hermilo Borba Filho
e reunidas no livro A PALAVRA DE HERMILO, organização de 
Juareiz Correya e Leda Alves, com prefácio de Ricardo Noblat. 
(Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / 
Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco, Recife, PE, 2007) 


Nenhum comentário: