segunda-feira, 7 de novembro de 2016

"VIAGENS GERAIS", DE CELINA DE HOLANDA : APRESENTAÇÃO DE JOSÉ MÁRIO RODRIGUES







VIAGENS GERAIS, de Celina de Holanda
(capa / ilustração de Reynaldo Fonseca) 




          "VIAGENS GERAIS reúne a poesia de Celina de Holanda Cavalcanti.   

          Toda a nossa vida - de poeta ou não - é uma longa viagem.  As pausas que fazemos para as próximas andanças são o que chamamos de estações.  Nelas preparamos as bagagens que iremos precisar no caminho. Claro, que esquecemos sempre algumas coisas importantes e necessárias. Nas viagens nos encontramos com outros eus que levamos, e que ora nos pesam, ora nos deixam leves, ora abrem portas para tesouros desconhecidos.   

          O poema na vida do poeta é uma viagem.  Necessariamente não precisamos sair de casa ou do quarto.  Imaginação tem asas, e quando elas se abrem para o voo encontram o seu impulso : a palavra. A CEPE acertou quando resolveu, através do seu presidente Ricardo Leitão, republicar a obra de Celina de Holanda, fazendo justiça a uma das mais fortes vozes da Literatura pernambucana, e que fez sua estreia em livro aos 55 anos de idade.  Outros nomes de expressão da poesia brasileira, a exemplo de Joaquim Cardozo, lançou seu primeiro livro POEMAS, aos 50 anos; Cora Coralina fez sua estreia com POEMAS E BECOS DE GOIÁS aos 76.  

          Poderemos dizer que esses poetas estavam maturando o verso.  Cedo ou tarde o poema se liberta.  Não há tempo determinado nem ele anuncia quando vai chegar.  Hibernando na memória, o verso constrói alicerces para enfrentar a ventania.  Isso me faz lembrar uns versos de Manuel Bandeira : o vento varria tudo / a minha vida ficava cada vez mais cheia de tudo.

..............................................................................................................


          No Engenho Ypiranga, em 1915, nasceu e viveu parte de sua infância, Celina de Holanda, filha de Sebastião Mendes de Holanda e Olímpia Mendes de Holanda.  Na hora de dormir vinha o medo  / de todos os ruídos / as sombras do candeeiro / pelas paredes subindo.  Perdeu sua mãe aos seis anos de idade e foi morar com seus tios no Engenho Pantôrra. Por lá, tomou banho de rio, dançou no Pastorinho, subiu nas mangueiras e correu pelo laranjal.  Na curva desse silêncio / tenho meu pai, meu irmão / tenho a laranja madura que a tirei verde no chão / tenho a manhã sem a noite de minha interrogação.  Depois veio o Recife, onde estudou no internato do Colégio das Damas e no Colégio Santa Gertrudes.  

          Do seu casamento com o médico e primo Djalma Holanda Cavalcanti, em 1943, nasceram cinco filhos."      

.............................................................................................................


___________________________________________________________
Fragmentos iniciais da apresentação de José Mário Rodrigues, 
especialmente para a edição do livro VIAGENS GERAIS, 
de Celina de Holanda  
(Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Secretaria 
da Casa Civil / Governo do Estado de Pernambuco, Recife, 2016) 

          
           

Nenhum comentário: