quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

NATAL NORDESTINO

CANÇÃOZINHA PARA UM MENINO SEM TETO

Maria de Lourdes Hortas

Na avenida maior
um menino e um pardal
tomam banho
num charco de chuva.
Sem telhado que os cubra
deixam-se agasalhar
pelo manto inútil
da minha compaixão
adormecendo ao relento
das estrelas
no chão.

..........................................................

JESUS NASCE TODOS OS DIAS
(fragmento)

Juareiz Correya

O menino Jesus
não nasceu em Belém
no dia 25 de dezembro.
O menino Jesus
nasce todos os dias
em todas as cidades.

E nem é Natal
quando ele nasce.
Não há estrelas especiais
nos céus
nem governantes
que têm fé
para que milagres se cumpram.
Nem mesmo há Marias
Compadecidas e de coração
iluminados de amor.
Há mulheres com pressa
parindo automáticas
pequenos negativos
da miséria e da dor.
Eles vão crescer
talvez sem infância
sem pão e estudos
e sem condição sequer
de carinho e ternura
entre pais e irmãos.
Não saberão o que é
o Outro, o Próximo,
e que a Humanidade existe,
porque tudo lhes foi negado
desde o dia do nascimento.
O menino Jesus
que é muitos sem nome,
sem teto e com fome,
nem saberá o que é a História
que se repete todos os dias
em que ele será Cristo
sem ser Deus.
(...)

.......................................................................


NATAL 2008

Antonio de Campos


"Ou o socialismo ou a barbárie."
(ROSA DE LUXEMBURGO)


No Natal deste ano
Jesus que todo ano nascia
não mais nascerá -
não mais terá de morrer !

Deixará de ser colocado
sobre palhas em manjedoura,
onde vacas e ovelhas
foram os primeiros a O adorar

Os Três Reis Magos
não virão da Pérsia, atual Irã,
invadido por tropas de outros tios
e principalmente do Tio Sam

Paz na Terra !
os pastores não ouvirão -
a Terra
já dorme em paz

Para sempre é noite de Natal !

Jesus, um mês antes,
voltou nos Estados Unidos
no corpo de um homem
duma raça de oprimidos

O Lobo agora habita com o Cordeiro
e pastam a mesma erva,
as armas de guerra
em pás, enxadas,
e foices foram convertidas

O capital apenas com pão é gasto
e o homem o reparte
para que também
possa comer -

a Árvore da Justiça
dá frutos de paz :
ao mar foram lançadas
as leis da opressão

E do profeta Isaías
que de Deus viu a Glória,
será dito :

nele Deus sonhou
o começo da História !

_________________________________
(poemas da antologia inédita
NATAL NORDESTINO,
organizada por Antonio de Campos
e Juareiz Correya)