quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

"POETAS DOS PALMARES" NA INTERNET : PALESTRA NO TEATRO CINEMA APOLO (5)






POETAS DOS PALMARES  
(Capa, 2a. edição - Fundarpe / Fundação 
Casa da Cultura Hermilo Borba Filho,
Recife / Palmares, 1987) 



     Apresentamos a relação dos poetas que participaram da segunda edição da antologia, publicada em parceria do Governo do Estado com a  Prefeitura Municipal dos Palmares, e  que,  junto com poetas da primeira edição, figuram na segunda parte do ebook POETAS DOS PALMARES (a ser publicado pela Panamerica Nordestal Editora, do Recife) : 



PALMARES 1970 / 1986 



AFONSO PAULINS 
ALFREDO DE MORAES 
AMÉRICO FURTUNATO  
ÂNGELO MEYER  
ELITA FERREIRA  
ENIEL SABINO DE OLIVEIRA  
FRED CAMINHA  
JESIMIEL GONÇALVES DE LIMA  
JOÃO LINS 
JUAREIZ CORREYA  
LEONILDA SILVA  
LUIZ ALBERTO MACHADO 
PAULO MENEZES  
ROBERTO QUENTAL
SANDRA LUSTOSA  
TELLES JUNIOR    
VILMAR CARVALHO  



segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

POETAS DOS PALMARES NA INTERNET : PALESTRA NO TEATRO CINEMA APOLO (4)





POETAS DE PALMARES 
(Capa da 1a. edição, 
Editora Palmares, 1973)



     Apresentamos a relação dos poetas palmarenses que participaram da primeira edição da antologia, publicada pela Editora Palmares, em 1973, junto com  outros nomes que fazem parte da seção inicial do ebook POETAS DOS PALMARES (a ser publicado pela Panamerica Nordestal Editora, do Recife) : 


PALMARES 1900 / 1970

ADALBERTO MARROQUIM 
ALOÍSIO FRAGA  
AMARO MATIAS  
ANTONIO VELOSO  
ARTUR GRIZ  
ASCENSO FERREIRA  
CALAZANS ALVES D'ARAÚJO 
ELISEU PEREIRA DE MELO 
EURÍPEDES AFONSO FERREIRA  
EZEQUIAS PESSOA DE SIQUEIRA  
FÁBIO SILVA  
FENELON BARRETO 
FERNANDO GRIZ  
JAYME GRIZ  
JOÃO COSTA  
JOSÉ LAGRECA  
JOSÉ RAMOS  
JÚLIA DE MORAIS LEITE  
LELÉ CORREIA  
LEOPOLDO LINS  
MÁRIO MARROQUIM 
MANUEL BEMTEVI 
MILTON SOUTO
OLÍVIO JOSÉ DE FREITAS  
RAIMUNDO ALVES DE SOUZA  
RUBEM DE LIMA MACHADO 
STELLA GRIZ  
ZENÓBIO MELO      




quinta-feira, 20 de novembro de 2014

"POETAS DOS PALMARES" NA INTERNET : PALESTRA NO TEATRO CINEMA APOLO (3)





PALMARES - 2014 
(Orla Poetas dos Palmares - 
Foto de Jaudiano Santos que ilustrará 
a capa do ebook  POETAS DOS PALMARES) 


          A edição eletrônica da antologia POETAS DOS PALMARES, também revista e aumentada, com a participação de mais de 40 novos poetas, que compõem a quarta parte do volume (Palmares 2000 / 2014), projetará, de forma inédita, este importante conjunto de nomes representativos da "Terra dos Poetas" na Internet, o que significa um avanço promocional indimensionável para os nossos poetas, a nossa poesia e para Palmares.     

           Na próxima postagem apresentaremos os nomes de todos os poetas que serão incluídos na antologia, relacionados nas quatro partes - do ano 1900 a 1970, de 1970 a 1986, de 1986 a 2000 e do ano 2000 a 2014 - que totalizam, nesta edição eletrônica, 114 anos de produção poética do município dos Palmares.  (Juareiz Correya) 

domingo, 16 de novembro de 2014

"POETAS DOS PALMARES" NA INTERNET : PALESTRA NO TEATRO CINEMA APOLO (2)






Juareiz Correya destaca a terceira edição impressa 
da antologia POETAS DOS PALMARES
(Fundação Hermilo, Palmares, 2002)


     A primeira edição impressa da antologia POETAS DOS PALMARES (1973), contou com a participação de 20 poetas, com nomes representativos da velha, da nova e da novíssima geração de autores da "Terra dos Poetas".  É uma primeira edição de grande significado para a vida cultural e editorial da cidade : foi lançada com a participação de mais de 600 assinantes palmarenses, o que, com certeza, lhe dá a condição de maior sucesso editorial da Cidade dos Palmares até os dias de hoje.  
      A segunda edição impressa  da antologia (1987), revista e aumentada, com a presença de 45 poetas, comprovando a renovação da produção poética da cidade, foi realizada, em coedição, pela FUNDARPE - Fundação do Patrimônio Histórico de Pernambuco / Governo do Estado e Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho / Prefeitura Municipal dos Palmares.    Nessa edição, apresentamos, como texto de introdução, uma crônica de Hermilo Borba Filho - Poetas de Palmares -  publicada pelo Diário de Pernambuco (06/setembro/1973)  sobre a primeira edição da antologia.    

       A terceira edição impressa da antologia (2002), que sintetiza um século (Palmares 1900 / 2000) de poesia da "Terra dos Poetas", promoveu a reunião de textos de 72 poetas de todas as gerações, em projeto editorial inteiramente realizado pela Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho :  

         "Há 29 anos da sua primeira edição, esta reedição  de POETAS DOS PALMARES coloca mais uma vez esta cidade na vanguarda dos acontecimentos literários do Interior de Pernambuco", afirmei na apresentação da antologia.    (JUAREIZ CORREYA) 
       
       

domingo, 9 de novembro de 2014

"POETAS DOS PALMARES" NA INTERNET : PALESTRA NO TEATRO CINEMA APOLO








Alunos do Curso de Letras da FAMASUL no Teatro Cinema Apolo
(centro), Palmares, PE, noite do dia 30/outubro/2014.
- Foto de Jaudiano Santos   


    
      Viajei a Palmares, quinta-feira, 30 de outubro passado, para apresentar, à noite, a partir das 19 horas, no Teatro Cinema Apolo, sede da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, a palestra "POETAS DOS PALMARES" NA INTERNET. 

       O Departamento de Letras da Famasul - Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul, sob a liderança dos professores e poetas João Constantino e Admmauro Gommes, promoveu essa atividade especial para os alunos do Curso de Letras da instituição, mobilizando um público de jovens estudantes universitários que lotou o auditório da "Casa de Hermilo".  Estiveram presentes também alguns professores e escritores locais,  sem vínculo com a Famasul, a exemplo de membros da diretoria da Academia Palmarense de Letras (em fase de organização).  

      A palestra teve o objetivo de apresentar o projeto da nova edição da antologia POETAS DOS PALMARES - um livro eletrônico que contará com a participação de mais de 40 novos poetas palmarenses e será lançado, ainda neste ano, em homenagem ao Centenário do Teatro Cinema Apolo (1914 - 2014), o mais antigo do Interior de Pernambuco.    

       Iniciei a palestra com uma síntese sobre a produção editorial impressa da antologia POETAS DOS PALMARES : a primeira, em 1973 (Editora Palmares); a segunda, em 1987 (Fundarpe / Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho); e a terceira, em 2002 (Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho / Prefeitura Municipal dos Palmares).  - Juareiz Correya (Boa Vista, Recife, PE) 
       

        

          

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Silas Correa Leite : "O Poema Sujo de Ferreira Gullar"





          "Ferreira Gullar do Poema Sujo tirou sangue-e-vida (e luz ?) de trevas.  Se o poeta é um mundo encerrado no homem (Victor Hugo), o Poema Sujo de Ferreira Gullar é um homem libertado no poema mais visceral e por isso mesmo contundente, verdadeiro, dolorosamente verdadeiro.  Garimpeiro, ourives, esse é o Ferreira Gullar.  Ideias e palavras. Poema como um organismo vivo.  O Poema Sujo de Ferreira Gullar é um dos melhores poemas escritos em LÍNGUA BRASILEIRA."   

          (Silas Correa Leite, poeta e jornalista /  São Paulo, 2014) 

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

"O FOOT-BALL MULATO", de Gilberto Freyre





     "Os nossos passes,  os nossos pitu's, os nossos despistamentos, os nossos floreios com a bola, o alguma  coisa de dança e de capoeiragem que marca o estilo brasileiro de jogar foot-ball, que arredonda e adoça o jogo inventado pelos ingleses e por eles jogado tão angulosamente, tudo isso parece exprimir (...) o mulatismo flamboyant e ao mesmo tempo malandro que está hoje em tudo que é afirmação verdadeira do Brasil." 

(Trecho do texto O FOOT-BALL MULATO, de Gilberto Freyre
- Diário de Pernambuco, Recife, 1938)




___________________________________________
Transcrito do Calendário e Agenda CEPE 2014 
(Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / 
 Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco)

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

"A HISTÓRIA REVISITADA", DE EDUARDO CAMPOS






     Os 50 anos do golpe militar de 1964 têm ensejado vários setores da sociedade brasileira a promoverem investigações sobre fatos nebulosos de nossa história recente, sobretudo acontecimentos relacionados aos 21 anos em que o país esteve mergulhado no regime ditatorial. 
     
     Expressivo exemplo é o trabalho desenvolvido pelas diversas Comissões da Verdade, que têm levantado muitos documentos e colhido depoimentos que concorrem para resgatar fatos e episódios que durante muitos anos foram escondidos pelos que detinham o poder.  

     O projeto PALAVRA ACESA - MEMÓRIAS DA LUTA CAMPONESA é mais uma colaboração a esse esforço de imposição da verdade histórica, focalizando o período de exceção dentro de uma perspectiva bem específica : o universo do trabalhador rural, sobre o qual as forças de repressão atuaram de forma impactante e sistemática.  

     Os vários depoimentos prestados ao projeto, no entanto, não se limitam ao período histórico que vai de 1984 a 1985. Eles procuram demonstrar que, em meio a dificuldades de toda ordem, inclusive das resultantes das transformações econômicas e sociais vivenciadas no país, esse importante segmento da nossa população segue sua busca por justiça e por direitos sociais elementares, atualizando seus instrumentos e renovando suas lideranças sem jamais perder de vista seu papel histórico.  

     Aqui encontramos o testemunho de gente que viveu, no começo da década de 1960, a eclosão da luta e, estimulados pelas perguntas dos autores, reviram suas memórias e traçam painel extremamente informativo dos acontecimentos da época, sobressaindo-se retratos em cores vivas de personagens como o ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes, o advogado Francisco Julião, fundador das Ligas Camponesas, além de João Pedro Teixeira, líder dos trabalhadores rurais de Sapé.  

     Da maior importância, pois, a iniciativa da Fundação João Mangabeira, instituição de estudos políticos do PSB, partido ao qual pertenceram, entre outros, Arraes, Julião, Assis Lemos e Agassiz Almeida, onipresentes nos relatos aqui registrados.  

     Importante por trazer à tona, com muitos detalhes, uma realidade social, política e econômica que deve ser amplamente conhecida de todos os que desejam o desenvolvimento do Brasil e o respeito pelo seu povo.  Também como grito de alerta para que possamos dizer, convictos, ditadura nunca mais ! 


_________________________________________________
Texto do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos,
publicado no livro PALAVRA ACESA - MEMÓRIAS
DA LUTA CAMPONESA, de Evaldo Costa e Gilson Oliveira
- Cuca Centro Cultural / Fundação João Mangabeira
Brasília, DF, 2014. 

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

CANTO PARA HERMILO, de Luiz de Miranda





O segundo encontro  
com Hermilo Borba Filho
se deu em sonho
e eu estava em suas terras  
numa luta aguerrida  
contra os donos do poder.  
O primeiro me levou 
o grande Adão Pinheiro 
de sua casa em São Paulo, 
em mil novecentos e sessenta e seis.  
Conversamos a noite inteira, 
mais sobre coisas que ele me contava, 
trazendo a renda de cristal 
da sua bela memória. 
Fundamos uma amizade 
que amanhece hoje comigo 
e o grande Hermilo 
entra no meu poema, 
onde é canção e tema, 
orgulho de quanto 
está tão vivo no presente, 
onde brilha sua estrela 
neste descampado da pampa, 
com seu cavalo ao lado 
vamos para o fim do mundo 
em sua nova estampa.     


(Porto Alegre, RS, 01 de agosto de 2014)



__________________________________________
Do livro inédito RUMOS DO FIM DO MUNDO, 
de Luiz de Miranda.   

quinta-feira, 31 de julho de 2014

LITERATURA E POLÍTICA É TEMA DA "V MOSTRA SESC DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA" (3)





As atividades vão acontecer no Teatro Arraial 
e no SESC Santa Rita (Recife - PE) 


     Juareiz Correya (PE) abre a noite da sexta-feira (01/08) com a leitura do poema Americanto Amar América, escrito em 1972 e publicado em 1975, versos que relacionam diretamente Literatura e Política.  Em seguida, Mário Magalhães (RJ), autor da biografia Marighella - O guerilheiro que incendiou o mundo, conversa sobre literatura de guerrilha com Inácio França (PE) e Urariano Mota (PE).  

     O sábado (02/08) começa com leituras de Chico de Assis (PE) e Thiago Corrêa (PE) e continua com Christiano Aguiar (PB)  em bate-papo com Luis Ruffato (MG) e Wellington de Melo (PE).  E, para encerrar a Mostra, no domingo (03/08), haverá intervenção poética com Marcelo Mário Melo (PE) e uma prosa entre Marcelino Freire (PE) e Carlos Nejar (RS), que estará lançando seu livro Matusalém de flores na ocasião.

     A exposição Imagem e Política, com desenhos de Luciano Félix, poderá ser vista no foyer do Teatro Arraial durante as noites da Mostra.  Todas as atividades realizadas no Teatro terão entrada gratuita e as ações de promoção de acessibilidade, com interpretação em libras e audiodescrição.  

     A programação completa pode ser conferida pelo site www.sescpe.com.br  



____________________________________
Informação da MULTI COMUNICAÇÃO
Denise Vilar (Assessora) 
81 - 32224912  /  94294970

terça-feira, 29 de julho de 2014

LITERATURA E POLÍTICA É TEMA DA "V MOSTRA SESC DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA" (2)



   
     As atividades vão acontecer no Teatro Arraial   
     e no SESC Santa Rita (Recife - PE) 


     A Mostra terá início com uma performance de Ricardo Aleixo (MG) no Teatro Arraial. O poeta e artista visual também irá ministrar Oficina de Performance ao longo da semana (29 de julho a 01 de agosto) no SESC Santa Rita. Na segunda noite (31/07), Benjamin Abdala Júnior conversa com Cristiano Ramos sobre o tema da Mostra, tratado também no seu livro Literatura, História e Política : Literaturas da Língua Portuguesa no Século XX, cuja primeira edição data de 1989.  

     No mesmo dia (31/07), data do seu aniversário, Ignácio de Loyola Brandão (SP), discorrerá livremente sobre seu livro Zero, que comemora 40 anos de publicação, sendo a primeira edição italiana.  Sem mediador, o autor poderá direcionar sua fala para o conteúdo do livro, sua relação com a realidade política da época em que foi concebido, tempo de forte censura nas redações, e o processo enfrentado para sua publicação no Brasil.  

     .......................................................

     A programação completa pode ser conferida pelo site
     www.sescpe.com.br/literatura-contemporanea 


    ________________________________________
     Informações da MULTI COMUNICAÇÃO 
     - Denise  Vilar  (Assessora) 
       denise@multicomunicacao.com 
     81 - 32224912  /   94294970   



segunda-feira, 28 de julho de 2014

LITERATURA E POLÍTICA É TEMA DA "V MOSTRA SESC DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA"






As atividades vão acontecer no Teatro Arraial 
e SESC Santa Rita (Recife - PE) 


     O cinquentenário do Golpe Militar de 1964 deu o mote para a quinta edição da MOSTRA SESC DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA.  Em todas as falas estará presente a relação entre "Literatura e Política", tema da Mostra.  Uma novidade deste ano é a concentração de atividades no Teatro Arraial 
(Rua da Aurora, Boa Vista).  O evento, que acontece de 29 de julho a 3 de agosto, integra a programação  anual do Laboratório de Autoria Literária Ascenso Ferreira, no SESC Santa Rita, onde acontecem as ações formativas.  

     Em consonância com a direção escolhida pelo Sesc Pernambuco paras orientar a programação cultural do ano de 2014 - a Memória - os curadores Cida Pedrosa e Sennor Ramos construíram o roteiro da Mostra em torno de autores que viveram a ditadura militar ou a registraram em suas obras na contemporaneidade. É o caso de Marcelo Mário de Melo e Chico de Assis, jornalistas e poetas pernambucanos que foram presos e nunca se calaram.  

     ..................................................................................

     A exposição Imagem e Política, com desenhos de Luciano Félix, poderá ser vista no foyer do Teatro Arraial durante todas as noites da Mostra.  Todas as atividades realizadas no Teatro terão entrada gratuita
e as ações de promoção de acessibilidade, com interpretação de libras e audiodescrição.  

     A programação completa pode ser conferida pelo site www.sescpe.com.br


____________________________________________________
  Informações da MULTI COMUNICAÇÃO
  - Denise Vilar (Assessora) 
 denise@multicomunicacao.com 
 81 - 32224912  /  94294970 

    

terça-feira, 22 de julho de 2014

IMPRENSA OFICIAL / COMPANHIA EDITORA DE PERNAMBUCO - CEPE (1926/2013)






     A Companhia Editora de Pernambuco - CEPE tem sua origem em 1924, ano da criação do Diário do Estado, e da Repartição de Publicações Oficiais, responsáveis pela publicação do jornal oficial.  Em 1926, por força de lei, a Repartição de Publicações Oficiais foi substituída pelo Departamento de Imprensa Oficial, que continuou a editar o Diário do Estado, nome substituído em 1944, quando passou a chamar-se Diário Oficial. 

     A Companhia Editora de Pernambuco - CEPE é indústria do segmento gráfico vinculada à Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco.
     (Do site : http://lai.pe.gov.br/web/cepe/institucional)


     IMPRENSA OFICIAL 

     Em 1939, treze anos após a sua criação, a Imprensa Oficial inicia a sua atividade editorial de livros que, até o ano de 1948, registra apenas estes 4 títulos publicados :

     Ano 1939

     HISTÓRIA DA GUERRA DE PERNAMBUCO 
     E FEITOS MEMORÁVEIS DO MESTRE DE CAMPO 
     JOÃO FERNANDES VIEIRA, 
     de Diogo Lopes Santiago
     (Imprensa Oficial, Recife, PE, 1939  /  História)
     Catálogo : Coleção Pernambucana /
                      Biblioteca Pública Estadual de Pernambuco (BPE)


     Ano 1940

     RURALISMO,
     de Apolônio Sales
     (Imprensa Oficial, Recife, PE, 1940 / Discurso)
     Catálogo : Coleção Pernambucana /
                     Biblioteca Pública Estadual de Pernambuco (BPE)


     Ano 1944

     RESTAURAÇÃO DE PERNAMBUCO,
     de Francisco Manoel de Melo
     (Imprensa Oficial, Recife, PE, 1944 / História)
     Catálogo : Coleção Pernambucana  /
                      Biblioteca Pública Estadual  de Pernambuco (BPE)


     Ano 1948

    PRIMEIRA BATALHA DOS GUARARAPES, 
    de Mário Melo
    (Imprensa Oficial, Recife, PE, 1948 / História)
    Catálogo : Coleção Pernambucana  /
                     Biblioteca Pública Estadual de Pernambuco (BPE)




(Pesquisa de Juareiz Correya)  

segunda-feira, 7 de julho de 2014

POETAS PERNAMBUCANOS TRADUZIDOS NA ARGENTINA





     O poeta, contista e jornalista argentino Héctor Pellizzi voltou ao Recife (onde já viveu e participou da vida literária local) especialmente para realizar, no Espaço Pasárgada (terça-feira, dia 15, às 19 horas), uma exposição de poemas pernambucanos traduzidos para o espanhol e já publicados no JORNAL DE LOS BARRIOS, de Junín, sua cidade natal, da região metropolitana de Buenos Aires.  O jornal, em edição mensal de 1.000 exemplares, é distribuído em bancas e junto a assinantes e, em 2015,  comemora 10 anos de circulação ininterrupta.

     A publicação no JORNAL DE LOS BARRIOS  de poemas pernambucanos e nordestinos, traduzidos por Héctor Pellizzi, tem contribuído para difundir a nossa literatura na região metropolitana da capital argentina, mantendo vivo um intercâmbio cultural enriquecedor para a Argentina e para o Brasil.  Complementando esse intercâmbio, Héctor Pellizzi, como diretor da Biblioteca Popular Florentino Ameghino (http://biblioteca-florentino-ameghino.blogspot.com)  solicita aos visitantes da exposição a doação de um livro pernambucano ou nordestino para integrar o acervo da entidade que possui mais de 8.700 títulos disponíveis para estudantes e para a comunidade em geral.    

     Estes são os poetas pernambucanos que participam da exposição no Espaço Pasárgada :
     Alberto da Cunha Melo, Ângelo Monteiro, Ariano Suassuna, Bione, Celso Mesquita, César Leal, Cícero Melo, Cida Pedrosa, Dione Barreto, Domingos Alexandre, Eduardo Martins, Ésio Rafael, Fátima Ferreira, Fred Caminha, Gegório Bezerra, Jorge Lopes, Jailson Marroquim, Joca de Oliveira, Jorge Verdi, Juareiz Correya, João Cabral de Melo Neto, Lourival Batista, Malungo, Manuel Bandeira, Manoel Constantino, Marcelo Mário de Melo, Mauro Mota, Pedro Américo de Farias, Pinto do Monteiro, Raimundo de Moraes, Samuca Santos, Solano Trindade, Valmir Jordão, Vernaide Wanderley, Wilson Araújo, Wilson Freire e Yanê.    

quarta-feira, 2 de julho de 2014

SECRETARIA ESPECIAL DE FUTEBOL DE PERNAMBUCO





     A SECOPA - Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo 2014, do Governo de Pernambuco, de acordo com a reforma do secretariado realizada no início deste ano, tem os seus dias contados para ser extinta ainda neste mês de julho.  Sob o inteligente comando do seu secretário, o jornalista Ricardo Leitão, e com uma pequena e competente equipe, a SECOPA tem o mérito do empreendimento da Copa do Mundo 2014 neste Estado.  É o mérito de uma realização inédita e histórica na vida esportiva do Estado de Pernambuco.

     A valiosa experiência e a competência demonstrada, pelo Governo de Pernambuco, com a estrutura administrativa da Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo 2014, podem muito bem  continuar plenamente ativas, ampliando ações benéficas, particularmente, para o desenvolvimento do futebol no nosso Estado, com a transformação / redimensionamento da SECOPA em SECRETARIA ESPECIAL DE FUTEBOL DE PERNAMBUCO.

     Todas as conquistas já concretizadas com a Copa do Mundo 2014 podem e devem servir para o desenvolvimento deste esporte de importância histórica secular em Pernambuco, com o Governo do Estado viabilizando, de forma pioneira, uma estrutura administrativa capaz de garantir recursos, projetos e empreendimentos, especialmente, para o futuro e a grandeza do mais importante esporte nacional na vida educacional e cultural pernambucana.


Juareiz Correya  
(Recife, PE) 

  

terça-feira, 24 de junho de 2014

Novos lançamentos em 2014 : Ebooks "Poetas dos Palmares", "Coração Portátil" e "Poesia Viva do Recife"




     As antologias POETAS DOS PALMARES e POESIA VIVA DO RECIFE, organizadas por Juareiz Correya, serão publicadas em edição eletrônica, ainda neste ano de 2014, pela Panamerica Nordestal Editora, do Recife (PE).

     A antologia POETAS DOS PALMARES, que já circulou em 3 edições impressas (1973, 1987, 2002), será publicada em edição eletrônica com a participação de 20 novos poetas da cidade.  Em sua terceira edição impressa (2002), a antologia POETAS DOS PALMARES reuniu textos de 72 poetas palmarenses.  
     A edição eletrônica da antologia POESIA VIVA DO RECIFE apresentará poemas de mais de 200 poetas que "amam, vivem e eternizam a cidade".  A sua primeira edição, impressa, publicada em 1996  pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Governo de Pernambuco, reuniu textos de 100 poetas recifenses.  

     Em setembro, o poeta e editor pernambucano lançará a segunda edição, aumentada, do ebook CORAÇÃO PORTÁTIL, já publicado em Portugal (2011). O livro circulou antes em duas edições impressas (1984 e 1999). 

terça-feira, 27 de maio de 2014

EDUARDO ALVES DA COSTA, O AUTOR DO POEMA "NO CAMINHO, COM MAIAKOVSKI", CONTINUA INJUSTIÇADO






     O poeta pernambucano Ramos Sobrinho envia este email (25 de maio/ 2014) :

     "Comprei, na Praça do Sebo, à livreira amiga de Melquisedeque e de Liedo, um livro editado no Ceará (Fortaleza): POESIA EM CENA, organizado por Ana Thaís Feitosa.  Pois bom, como diria uma certa personagem de Chico Anísio / Graciliano, tá lá aquela aberração do poema atribuído a Maiakovski, com o nome "Despertar é Preciso".  É um pequeno trecho, acho mesmo que é má-fé. (Na primeira noite eles se aproximam / e roubam uma flor / do nosso jardim...)  Vou escrever agora mesmo para a editora de Eduardo Alves da Costa.    


     Como escrevi ao poeta amigo de Olinda, dá para entender que a desgraça continua...  Essa aberração identificada por Ramos Sobrinho é uma espécie de maldição que persegue o poeta brasileiro Eduardo Alves da Costa, autor do poema "No Caminho, com Maiakovski".

     Em janeiro de 2008 publiquei, na Revista CONTINENTE (Companhia Editora de Pernambuco - CEPE, Recife, PE, número 85) - www.revistacontinente.com.br -, um artigo intitulado "O poema que Maiakovski não escreveu", justamente sobre esse tipo de problema que é inexplicavelmente jornalístico, literário, editorial e cultural.  Passa pela má fé denunciada pelo poeta Ramos Sobrinho e chega à grosseira ignorância literária de gente graúda, graduada e conceituada como é o caso, agora, da organizadora da antologia cearense já citada.  

     O equívoco (ainda) persiste em torno do poema de Eduardo Alves da Costa atribuído ao poeta russo indevidamente.  

     No artigo publicado na Revista CONTINENTE, escrevi :

     "A Editora Nova Fronteira, do Rio de Janeiro, ao publicar a poesia reunida de Eduardo Alves da Costa, em 1985, com o título geral NO CAMINHO, COM MAIAKOVSKI, transcreveu os versos iniciais (que é a única parte conhecida do poema) com esta nota explicativa : 
     "A autoria deste poema tem sido atribuída, por equívoco, ao poeta russo Vladimir Maiakovski. O poema foi escrito por Eduardo Alves da Costa, em 1964." 

(JUAREIZ CORREYA) 

quinta-feira, 8 de maio de 2014

ASCENSO - O NORDESTE EM CARNE & OSSO, de Juareiz Correya






     ANIBAL TORRES seria apenas "o filho da professora metido o poeta", na cidade pernambucana dos Palmares, onde nasceu e viveu até os 24 anos de idade, escrevendo sonetos parnasianos. Mas ASCENSO FERREIRA, como passou a chamar-se, quando decidiu mudar o nome de batismo - e se registrou com o nome Ascenso Carneiro Gonçalves Ferreira -, iria crescer para além dos limites de Palmares, na região da Mata de Pernambuco, e se tornar um poeta de dimensão nacional, traduzindo, em carne e osso, a telúrica poesia do Nordeste, ao invadir, com a sua originalidade, o Modernismo Brasileiro.  

     A sua ascensão, que atravessou décadas, de forma bem definida, parece ter sido original e unicamente prevista por ele, ao adotar o novo nome - Ascenso -, identificação fácil e própria para, com o sucesso e a popularidade, virar, simplesmente, Ascensão, apelido carinhoso perpetuado entre conhecidos e amigos.  

     O poeta era mais do que um cantor de sua terra, o Nordeste. Era o verdadeiro menestrel moderno, símbolo de tempos novos, antimodelo, antiartista, de vozeirão e tipo assombrosos, uma figura avantajada em todos os sentidos, mais retrato de senhor-de-engenho abastado do que de boêmio e poeta popular, que reinventou a poesia do Nordeste ao escrevê-la e recitá-la.  À frente do seu tempo, Ascenso foi o primeiro poeta brasileiro a gravar os seus poemas em disco, e também um precursor da geração mimeógrafo, dos poetas marginais, alternativos e independentes : ele mesmo vendia, de mão em mão, os seus livros e discos.

     Ascenso foi uma espécie de santo de casa que fez milagre, até ele mesmo reconhecia isto.  Pernambuco, o Nordeste e vários Estados brasileiros tiveram o privilégio de conviver com a sua figura mítica e desmistificadora, um poeta autêntico, verdadeiramente importante, sem pose e posses, e sem qualquer frescura.  Ainda hoje seu nome e sua vida têm sabor de lenda e sobre ele se contam e recontam as mais incríveis, engraçadas e absurdas histórias.  Lírico, folclórico, piadista, mulherengo, grosseiro, ingênuo, político, menestrel, provinciano, cabra de engenho, cosmopolita, catimbozeiro, dançarino, depravado, amigo, companheiro, doce, irmão, maldito, anjo, demônio, vagabundo, chapa de Getúlio, Juscelino e Arraes, comerciante, camelô de poesia, comedor e bebedor na vida, grande, graúdo (só não entrou no céu por causa do tamanho), Ascenso, Ascensão.  O homem e o poeta foram eternamente um só. Ascenso era, mais do que ninguém, genuinamente ele mesmo.  Outro como Ascenso, diria a sua companheira, Maria de Lourdes Medeiros, lembrando o que foi dito em relação a Chopin (de que só nascia um Chopin de cem em cem anos), "vai custar mais de cem anos pra nascer".   (JUAREIZ CORREYA) 




___________________________________________________
Apresentação do livro ASCENSO, O NORDESTE 
EM CARNE E OSSO - Perfil Biográfico do Poeta 
Ascenso Ferreira -  2a. edição  -  de Juareiz Correya 
(Edições Bagaço / Nordestal Editora e Produções Culturais, 
Recife, PE, 2001)  

quarta-feira, 7 de maio de 2014

A RUA DO RIO (PALMARES), poema de Ascenso Ferreira





No começo da rua 
Morava Agostinho - o aleijado -
A quem o povo acusava de alimentar-se de coisas imundas : 
- Bichos mortos apanhados nos fundos dos quintais ! 

Fronteiro a ele morava o pedreiro Manuel Belo, 
Que por ter sido mordido de cachorro da moléstia, 
Quando falava com a gente avançava como um cão ! 

No meio da rua morava a celebérrima preta Inês. 
Catimbozeira "afamanada", 
Sempre às voltas com sapos e urubus ! 

Na outra ponta morava a mulata Filomena, 
A quem um jacaré acuou dentro de um banheiro no rio. 
E que saiu nuinha pela estrada afora, 
Gritando : "Me acudam ! Me acudam !" 

Mas nem tudo, na Rua do Rio, 
Era infâmia, nojo, abominação ! 

................................................................................... 

Na outra ponta da rua, 
Bem nos fundos do quintal da casa de minha mãe, 
Morava o fogueteiro Lulu Higino, 
Que no silêncio das noites consteladas, 
Arrancava da flauta uns acordes tão suaves, 
Que até parecia serem as estrelas lá no céu 
Que estavam tocando... 


(Do livro "Xenhenhém", inédito incluído na primeira edição
da  poesia reunida de Ascenso Ferreira - POEMAS,
 edição de luxo, Rio de Janeiro, RJ, 1951)


______________________________________________
Transcrito do livro POEMAS DE ASCENSO FERREIRA  
- 5a. edição - Nordestal Editora, Recife, PE, 1995. 

sexta-feira, 25 de abril de 2014

POESIA EM CARTAZ : "A COPA DO MUNDO", DE ASCENSO FERREIRA





     O poema  A COPA DO MUNDO, de Ascenso Ferreira, do terceiro livro do poeta pernambucano intitulado "Xenhenhém" (publicado na edição de luxo da sua poesia reunida sob o título geral POEMAS - Edição do Autor, Rio de Janeiro, RJ, 1951), será editado em cartaz ilustrado, pela Panamerica Nordestal Editora, para distribuição promocional de uma entidade pernambucana, às vésperas da Copa do Mundo no Brasil.

     O poema A COPA DO MUNDO ("No meio daquela confusão toda / De rádios berrando, / Fogos pipocando, / Bêbados cantando...), de Ascenso Ferreira, está incluído também no ebook FUTEBOL É POESIA - Um time de poetas brasileiros, que reúne mais de 60 poemas de autoria de Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Cássio Corrêa, Urbano Lumiere, Alberto Chaer, Glauco Mattoso, Ferreira Gullar, Armando Freitas Filho, Eduardo Murta, Leila Miccolis, Merivaldo Pinheiro, Marcelo Ferrari, Thereza Christina da Motta, Armando Nogueira, Olympio Coutinho, Paulo Neto, Silas Correa Leite, Marco Polo Guimarães,  Samarone Lima, Ramos Sobrinho, Alberto da Cunha Melo e Sílvio Hansen, entre outros.

     O ebook FUTEBOL É POESIA será lançado pela Panamerica Nordestal Editora, do Recife (PE), no próximo mês de maio deste ano.  

terça-feira, 8 de abril de 2014

"II PRÊMIO PERNAMBUCO DE LITERATURA" : INSCRIÇÕES ATÉ A PRÓXIMA SEMANA (DIA 16)






     Devido à greve dos Correios em todo o Brasil, a Secretaria de Cultura do Estado (Secult-PE) e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), através da sua Coordenadoria de Literatura, resolveram prorrogar as inscrições para o II PRÊMIO PERNAMBUCO DE LITERATURA. Agora, os participantes têm até o próximo dia 16 de abril para apresentar os seus trabalhos.  O prêmio tem o objetivo de fomentar a produção literária em todas as macrorregiões do Estado, democratizando o acesso ao livro e promovendo a distribuição e circulação da literatura contemporânea pernambucana.  

     As inscrições são gratuitas e podem ser feitas na Coordenadoria de Literatura da Secult-PE/Fundarpe, que fica na Rua da União, 263, 1o. andar, bairro da Boa Vista, Recife, das 8h às 17h. Para participar, basta ser pernambucano ou residir no Estado há, pelo menos, um ano.  Cada candidato pode concorrer com apenas uma obra.  A premiação consiste na publicação dos títulos vencedores, pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE, com tiragem de mil exemplares.  Além disso, serão concedidos até cinco prêmios no valor de R$ 5 mil para cada um dos vencedores em cada macrorregião, e um prêmio especial de R$ 15 mil para um dos cinco finalistas ganhador do Grande Prêmio.



____________________________________
Para mais informações: 
COORDENADORIA DE LITERATURA 
DA SECULT - PE
literatura.secultpe@gmail.com 
Telefones : (81) 31843166 / 31832700      



domingo, 30 de março de 2014

FUTEBOL É POESIA : Antologia será lançada no próximo mês de maio






     A Panamerica Nordestal Editora prepara o lançamento da antologia FUTEBOL É POESIA - Um time de poetas brasileiros para o próximo mês de maio, às vésperas da Copa do Mundo no Brasil. A antologia é uma seleção dos  poetas e editores Juareiz Correya e José Terra, da editora recifense Panamerica Nordestal Editora, e será publicada para circulação exclusiva na Internet.  O ebook reune poemas de autores consagrados, de projeção nacional e internacional, e de autores com alguma projeção no país, além de poetas apenas conhecidos em seus Estados e de  alguns ainda inéditos em livro.  

     FUTEBOL É POESIA apresenta seções distintas com poemas sobre"O FUTEBOL, por exemplo,  de autoria de  Cássio Corrêa, Urbano Lumiere, Alberto Chaer, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Glauco Mattoso, Jorge Alberto Nabut, Ferreira Gullar, Armando Freitas Filho, Eduardo Murta, Leila Miccolis, Merivaldo Pinheiro, Sigmar Montemor, Marcelo Ferrari, Thereza Christina da Motta, Armando Nogueira, Olympio Coutinho, Paulo Neto e Ramos Sobrinho.  Textos de outros poetas enriquecem estas seções seguintes do ebook : OS JOGADORES, CLUBES, TORCIDA, SELEÇÃO BRASILEIRA, COPA DO MUNDO.  São mais de 40 poetas e de 60 poemas, numa amostragem inédita  da poesia brasileira de vários Estados e gerações.

   

quarta-feira, 5 de março de 2014

"FUTEBOL É POESIA" - UM TIME DE 40 POETAS BRASILEIROS





     Mais de 60 poemas, publicados em livros, revistas, jornais, sites, blogs e ebooks  por 40 poetas brasileiros fazem parte da antologia FUTEBOL É POESIA, organizada por José Terra e Juareiz Correya, a ser lançada na Internet pela Panamerica Nordestal Editora, do Recife (PE), no próximo mês de maio/2014.

     Os poemas são apresentados nas seguintes áreas temáticas  : O FUTEBOL, OS JOGADORES, CLUBES, TORCIDA, SELEÇÃO BRASILEIRA e COPA DO MUNDO. Poetas modernistas,  modernos e contemporâneos de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Sul, Amazonas, Brasília, Bahia, e Paraná estão reunidos na antologia.  

    Com o apoio de secretarias de educação e cultura de Pernambuco, a publicação eletrônica será distribuída promocionalmente a milhares de internautas brasileiros e estrangeiros.  



domingo, 23 de fevereiro de 2014

TRABALHO PRESENCIAL E TRABALHO VIRTUAL, de Juareiz Correya





     Sabemos que, hoje em dia, as relações de trabalho, as atividades profissionais mudaram profundamente os seus perfis por força da revolução criada com a Internet, em permanente evolução.  O mundo do trabalho, nas mais diversas áreas da atividade humana é radicalmente outro, na vida urbana propriamente dita. Nos serviços públicos, indústria, comércio, bancos, escolas, centros universitários e culturais, hospitais, jornais, revistas, rádio, televisão, tudo se mantém atualizado e funcionando da melhor forma possível, com a rapidez, segurança e eficiência que a maioria dos serviços, produções e desempenhos profissionais não tinham há poucos anos passados.

     A Internet mudou tudo, para melhor, e mudará ainda muito mais.  E fez evoluir de tal forma as atividades profissionais que criou, distintamente, um novo ambiente de produção : o do trabalho virtual.  É claro que nem todo trabalho presencial passou ou passará a ser desenvolvido no ambiente virtual.  Mas a evolução das atividades informatizadas estabeleceu, naturalmente, o perfil dos profissionais desse novo ambiente : é o de quem antes mantinha vínculo permanente com o trabalho presencial, por causa da estrutura antiga da empresa, e que hoje não tem mais a necessidade de se dirigir até o seu local de trabalho presencial para realizar as suas atividades.

     Há resistência para que tudo possa acontecer assim, de modo tão natural, por causa da concepção limitada de muitos empresários que não assimilaram ainda ou não aceitam a nova realidade do trabalho virtual.  E que ignoram solenemente os avanços surgidos com o desenvolvimento do trabalho virtual, que a empresa já comporta, exigindo que o trabalho seja realizado ainda de forma presencial.

     Existem exemplos em todas as áreas mas podemos particularizar com o que já vivenciamos e conhecemos de perto : uma redação de jornal, de revista, uma editora devidamente aparelhada com os seus computadores, e conectada à Internet, não tem a menor necessidade de manter salas de redação ou espaços físicos semelhantes aos que eram mantidos há alguns poucos anos atrás para a realização de um trabalho jornalístico ou editorial completamente presencial.

     Textos, ilustrações, artes, projetos gráficos de um jornal, uma revista, um livro, impressos ou eletrônicos, podem muito bem ser redigidos, trabalhados, revisados, encaminhados, reunidos, organizados em editoração eletrônica, dimensionados em um ambiente inteiramente virtual, da forma mais prática, dinâmica e inteligente possível (além de econômica).  Muito melhor do que o "calor" de uma sala de redação ou de um "estúdio" editorial que exige trabalho presencial custoso, estressante e que já está se tornando antiquado...

    Este é só um exemplo na área profissional de jornalistas, escritores, editores...  Nas outras áreas, só não vê quem não quer as transformações, iguais ou maiores, que a Internet favorece, produz e hiper-dimensiona.


_________________________________________
JUAREIZ CORREYA é escritor e editor. 
Publica blogs literários e jornalísticos. 
Dirige os sites da Panamerica Nordestal Editora 
(http://www.panamerica.net.br) 
e da loja virtual Panamerica Livraria  
(http://www.panamericalivraria.com.br) 

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

DOIS NOVOS EBOOKS : "Poesia Viva do Recife" e "Poesia Viva de São Paulo"






     Reativamos, neste ano de 2014, dois projetos literários muito importantes para a Panamerica Nordestal Editora (www.panamerica.net.br), em particular, e para as cidades do Recife (PE) e de São Paulo (SP).  São as antologias POESIA VIVA DO RECIFE, que eu organizei e foi publicada, em 1996, pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Secretaria da Casa Civil /  Governo de Pernambuco, e a antologia POESIA VIVA DE SÃO PAULO, ainda inédita, que eu organizei com a poetisa paulista Dalila Teles Veras.

     Estas duas antologias fazem parte de um ambicioso projeto editorial - a Coleção Poesia da Cidade (acesse o blog - http://poesiadacidade.blogspot.com.br) - iniciado com a publicação da antologia recifense e sequenciado com a publicação da antologia POESIA VIVA DE NATAL, organizada por Manoel Onofre Jr., publicada em 1999, em homenagem ao 4o. Centenário da Cidade, pela Nordestal Editora (PE) em coedição com a Fundação Capitania das Artes / Prefeitura de Natal (RN). Outras antologias dessa Coleção, já programadas, ainda não puderam ser organizadas e publicadas, a exemplo dos projetos da Poesia Viva de Fortaleza, de Maceió, Salvador e Porto Alegre.  O atraso é grande mas chegaremos lá !



     MAIS DE 200 POETAS DO RECIFE  

     A primeira edição da antologia POESIA VIVA DO RECIFE reuniu textos de 100 poetas contemporâneos de Pernambuco.  A segunda edição será uma publicação eletrônica, com circulação exclusiva na Internet, e reunirá textos de mais de 200 poetas pernambucanos contemporâneos. Alguns textos desta antologia já estão sendo divulgados, mensalmente, em edição impressa e eletrônica da AGENDA CULTURAL DO RECIFE, da Prefeitura do Recife / Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura Cidade do Recife.  

     A antologia POESIA VIVA DE SÃO PAULO, inexplicavelmente inédita há mais de 10 anos (se eu quiser explicar ninguém nunca entenderá...), reune textos de 80 poetas paulistas contemporâneos e será também uma publicação especial da Ebooks Panamerica lançada no segundo semestre deste ano na PANAMERICA LIVRARIA (http://www.panamericalivraria.com.br)   

                                                                                                    - Texto de JUAREIZ CORREYA 



segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

JOSÉ LINS DO REGO : "FÔLEGO E CLASSE"





     "Mais do que os homens lutam no gramado, há o espetáculo dos que trepam nas arquibancadas, dos que se apinham nas gerais, dos que se acomodam nas cadeiras de pistas. Nunca vi tanta semelhança entre tanta gente. Todos os setenta mil espectadores que enchem um Fla-Flu se parecem, sofrem as mesmas reações, jogam os mesmos insultos, dão os mesmos gritos. Fico no meio de todos e os sinto como irmãos, nas vitórias e nas derrotas." 




(Transcrito do Calendário e Agenda CEPE 2014) 


________________________________
FÔLEGO E CLASSE (trecho),
de José Lins do Rego
- Do livro "POESIA E VIDA" (1945)

domingo, 19 de janeiro de 2014

"II PRÊMIO PERNAMBUCO DE LITERATURA" : 40 MIL REAIS EM PRÊMIOS





     Com o objetivo de "fomentar a produção literária de todas as macrorregiões de Pernambuco através de uma política editorial que visa democratizar o acesso ao livro e apresentar-se como uma estratégia de promover a distribuição e circulação da literatura contemporânea pernambucana", o Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura - SECULT, e da Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco - FUNDARPE, instituiu o II PRÊMIO PERNAMBUCO DE LITERATURA (acesse edital - http://www.fundarpe.pe.gov.br / http://www.cepe.com.br)

     As inscrições, abertas desde o dia 2 deste mês, serão encerradas no dia 2 de março/2014. Os autores concorrem nas regiões onde têm domicílio (Região Metropolitana, Mata, Agreste e Sertão).

     O concurso entregará prêmios  no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para os(as) autores(as) vencedores(as), com livros inéditos, em cada uma das macrorregiões do Estado de Pernambuco.  E entre os 5 (cinco) vencedores será atribuído um prêmio de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) a um(a) autor)a) distinguido(a) com o Grande Prêmio do concurso.    

     A divulgação do resultado acontecerá até a primeira quinzena de junho / 2014 e a entrega dos prêmios ocorrerá em datas que serão divulgadas no Diário Oficial do Estado (http://www.cepe.com.br/diario) e nos sites da SECULT/FUNDARPE (http´://www.fundarpe.pe.gov.br) e CEPE EDITORA (http://www.cepe.com.br)

     Os títulos vencedores serão publicados, em tiragem de 1.000 (um mil) exemplares, pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Secretaria de Casa Civil / Governo de Pernambuco.    

__________________________________
Esclarecimentos e informações :  
E-mail : literatura.secultpe@gmail.com 
Fones : (81) 31843166 / 31832700 


segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

O FUTEBOL EM PROSA & FOTOGRAFIA NO "CALENDÁRIO E AGENDA CEPE 2014"





     O ano da Copa do Mundo no Brasil é homenageado pelo Calendário e Agenda 2014 da CEPE (Companhia Editora de Pernambuco / Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco) com uma seleção de textos de autores de primeira grandeza destacados em cada mês do ano :

     JANEIRO ("O mistério do futebol", de Luís Fernando Veríssimo), FEVEREIRO ("Fôlego e Classe", de José Lins do Rego), MARÇO ("Peladas", de Armando Nogueira), ABRIL ("Bocage no futebol", de Nelson Rodrigues), MAIO ("O moleque e a bola", de Chico Buarque), JUNHO ("Bola de Meia", de Daniel Piza), JULHO ("A equipe", de Rubem Braga), AGOSTO ("O gol", de Eduardo Galeano), SETEMBRO ("O foot-ball mulato", de Gilberto Freyre), OUTUBRO ("Onde a bola é mais redonda", de Samarone Lima), NOVEMBRO ("Se o homem amasse mulher como ama futebol", de Xico Sá) e DEZEMBRO ("A linguagem do futebol", de Pier Paolo Pasolini).  Os textos são ilustrados com fotografias de Arnaldo Carvalho (Janeiro, Julho, Agosto, Setembro, Dezembro), Custódio Coimbra (Fevereiro, Abril), Izan Petterle (Março, Outubro),  Paulo Fridman (Maio), Dorival Moreira (Junho) e Almir Bindilatti (Novembro).

      Além desse time de autores, vários jogadores de futebol, técnicos, jornalistas, artistas populares  e dirigentes de clubes têm frases transcritas nos rodapés de páginas da Agenda CEPE 2014 : Dario, Benjamin Wrigth, Neném Prancha, Mário Filho, Sebastião Lapolla, Gentil Cardoso, Nelson Rodrigues, Armando Nogueira, Teixeira Heizer, Joaquim Ferreira dos Santos, Paulo Mendes Campos, Chico Buarque de Hollanda, José Geraldo Couto, Flávio Costa, José Lins do Rego, João Saldanha, Décio de Almeida Prado, Tostão, Carlos Eduardo Novaes, Millôr Fernandes, Riquelme, Casey Stengel, Garrincha, Bill Sharkly, Albert Camus, Dago Miori, Vampeta, Michael Platini, Jardel, Samuel Rosa e Nando Reis, Zezé Moreira, Gerald Thomas, Carlos Vergara, Robert Fleck, Didi, Nei Oliveira, Wanderley Luxemburgo, Romeu, Edgar Ferreira, Paulo Fernando Lago, Carlos Heitor Cony, Joseph Bell, Juca Kfouri, Stanislaw Ponte Preta, Sérgio Rêdes, Don Rossé Cavaca e Luiz Lobo.  

     A Agenda CEPE 2014 presenteia ainda os seus leitores com uma bonita e bem bolada "Tabela da Copa do Mundo 2014 - Brasil".