domingo, 1 de abril de 2012

GOVERNADOR MIGUEL ARRAES : "MANIFESTO AO POVO DE PERNAMBUCO"




     "No momento em que falo, o Palácio do Governo está sendo ocupado por tropas do Exército, que se insubordinaram contra o Sr. Presidente da República, tocando o mandato que o povo de Pernambuco me concedeu, através de gloriosa campanha eleitoral. 

     Sei que cumpri até agora o meu dever para com o povo pernambucano. 

     Sei que estou fiel aos princípios democráticos, à legalidade e à Constituição que jurei cumprir. 

     Deixo de renunciar ou de abandonar o mandato, porque ele está com a minha pessoa e me acompanhará enquanto durar o prazo que o povo me concedeu e enquanto me for permitido viver. 

     Sei que a nossa Pátria atravessa dias de grandes dificuldades, mas sei que o povo haverá de conquistar cada vez maior liberdade e condições de lutar por um Brasil grande, em que haja harmonia entre os seus filhos, e essa harmonia não pode vir senão da Justiça que se estabeleça para todos, para milhões de cidadãos, milhões de irmãos que estão no Brasil inteiro à espera de uma palavra e da luta que cada um que tenha consciência dos nossos destinos possa empreender.

     Estou, assim, por força da ocupação do Palácio, feita à luz do dia, enquanto se registravam negociações, impedido de exercer o mandato, numa violação da Constituição do Estado e da Constituição Federal. Prefiro isso a negociá-lo e a vê-lo manchado, porque jurei ser digno das  gloriosas tradições do povo pernambucano.  E o povo de Pernambuco nunca veria o seu governador descer para negociar o mandato que honrosamente conquistou nas ruas do Recife e nas cidades do interior do nosso Estado. 

     Espero que todos possam, através da unidade cada vez maior do povo, levar o nosso Estado e a nossa Pátria à grandeza que todos nós desejamos. 

     Boa tarde, meus amigos."


___________________________________________________
Declaração do Governador Miguel Arraes, divulgada pelo rádio,
no dia 1o. de abril de 1964, no momento em que as tropas do
IV Exército já cercavam o Palácio do Governo de Pernambuco.
(Transcrito do livro MIGUEL ARRAES - PENSAMENTO E
AÇÃO POLÍTICA - Topbooks Editora, Rio de Janeiro, RJ, 1997)