quinta-feira, 8 de julho de 2010

UNA, de Daniel Panno

U N A



Medo irreverente
Ou teimosia displicente ?
Povo cabeça-dura,
Insistente !


Edificas tua casa,
Insolente,
Na fauce-mesma
da glutona enchente !




Recife, junho/2010.


_____________________

DANIEL PANNO é argentino. Vive em Pernambuco
há 6 anos. Professor, músico e webdesigner.

terça-feira, 6 de julho de 2010

INTERPOÉTICA - 5 anos a serviço da cultura pernambucana

Em comemoração aos 5 anos divulgando a cultura pernambucana, os editores Cida Pedrosa & Sennor Ramos convidam para o lançamento da nova plataforma do site INTERPOÉTICA (http://www.interpoetica.com), nesta quarta-feira, dia 7 de julho, a partir das 7 horas da noite, no Espaço MUDA (Rua Capitão Lima, 280, Santo Amaro, Recife, PE).
O INTERPOÉTICA, que também pode ser seguido no Twitter (http://twitter.com/interpoetica) é o maior site literário de Pernambuco e o primeiro ponto de cultura virtual do Estado. No INTERPOÉTICA, o internauta acessa as seções Cardápio de Poesia (poemas de inúmeros autores, sobretudo nordestinos,vivos e já "encantados"), Poetas na Rede (publicações de mais de 30 poetas pernambucanos), Corda Virtual (espaço único, alternativo, exclusivo para a poesia popular), O Poeta e Sua Voz (radiodifusão de textos gravados pelos próprios autores), Figura da Vez (Textos críticos sobre mais de 20 poetas nordestinos consagrados), Entrevista (mais de 30 autores contemporâneos), Colunas (de jornalistas e escritores pernambucanos), uma irreverente Galeria de Mortais (20 tamboretes), Contexto (livros virtuais, artigos, memória fotográfica, especiais) e Eventos (que atualizam os leitores com os acontecimentos literários e artísticos de Pernambuco).
No lançamento do INTERPOÉTICA será exibido o curta PSIA, dirigido por Mariane Bigio. E tem microfone aberto para a poesia do Recife.

domingo, 4 de julho de 2010

NORDESTE e RIO UNA, de Jayme Griz

N O R D E S T E


Verão !
Sol quente de tinir !
Sol quente de rachar o chão !


De repente
Chuva
Chuva
Chuva
Chuva
Chuva de danar a paciência !
Chuva de sapo pedir aos céus clemência !


..............


Mãe Natura endoideceu...


E se Ela,
Que é Mãe,
Que é Sábia,
Que é Única,
A cabeça perdeu...


Quanto mais eu...
Quanto mais eu...



(Da antologia POETAS DOS PALMARES,
3a. edição, Palmares, PE, 2002)

________________________________________


R I O U N A

A Capiba


Rio Una,
Rio Una,
Rio bom de navegar,
Se dele vivo tão longe,
Nele estou sempre a pensar.


Suas águas vêm de longe,
De bem longe a caminhar,
Contam elas mil histórias,
No seu doce marulhar.


Rio Una,
Rio Una,
Rio bom de navegar,
Se dele vivo tão longe,
Nele estou sempre a pensar.


Quando à noite a lua cheia
Sobre as águas vem boiar,
Soam vozes de Sereia
Entre os juncos a cantar.


Rio Una,
Rio Una,
Rio bom de navegar,
Se dele vivo tão longe,
Nele estou sempre a pensar.



(Do livro ACAUÃ,
1a. edição, Recife, 1959)


_____________________________________________

JAYME GRIZ nasceu em Palmares (PE). Membro
da Academia Pernambucana de Letras, faleceu
no Recife em junho de 1981.