sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

O RECIFE VIVERÁ

"ONG dinamarquesa coloca a capital
entre os 100 locais a serem visitados
antes que desapareçam"
(Vida Urbana / DIARIO DE PERNAMBUCO,
Recife,27/dezembro / 2009)




Nascida das águas
na voragem do Atlântico
a cidade desaparecerá,
alardeiam cientistas do Mundo.
A morte anunciada,
sepultada pelas águas
como um versículo do Gênesis,
é de um futuro perto :
nas próximas décadas deste século
o Recife será
a primeira cidade brasileira a desaparecer
junto com cidades-irmãs de destino e desgraça
de mais de 20 países da América,
Europa, Ásia e África.


A cidade vive indiferente à tragédia
da sua própria história :
tem tragédias todos os dias
no seu cotidiano nordestino.
A cidade vive além do drama
dos governantes funcionários públicos
plantonistas das rádios TVs jornais e
da Internet tentacular :
365 sóis do seu céu sangram indigentes
na paisagem das ruas pontes e avenidas.
A cidade vive à vontade a sua comédia
que não é teatro nem circo,
a comédia da capital sem capital,
rica sem dinheiro
driblando a miséria
como um prêmio lotérico
certa de que é
o melhor destino humano na Terra.


A cidade é mãe da Poesia
e vive parindo poetas em série
com uma febre de produção fabril.
Sua Música é única e intraduzível
em todos os cantos do planeta.
E não há cores mais intensas
traços mais perfeitos e esculturais
do que os quadros murais objetos da sua Arte
ao ar livre dos espaços públicos.


Abaixo do nível do mar
o Recife edificou-se
e vive elevado sua dimensão terrena.
O Recife não é uma ilha,
um peixe na praia,
um sonho atlântico :
o Recife é a parte mais viva
do continente pernambucano,
a sua cidade lendária e eterna.
O Recife viverá !



JUAREIZ CORREYA

(Recife, janeiro / 2010)

___________________________________________

(Transcrito do blog JORNAL DO JUAREIZ
- http://blig.ig.com.br/juareizcorreya)

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

A QUESTÃO CULTURAL DA ZONA DA MATA

Em comunicação sobre A QUESTÃO CULTURAL DA ZONA DA MATA, o segundo painel regional apresentado no "I Encontro Pernambucano de Escritores" (Auditório do Colégio Americano Batista, Boa Vista, Recife, sábado, 16/janeiro/2010), destaquei inicialmente um trecho da entrevista de Hermilo Borba Filho concedida ao jornalista José Maria Andrade, da Revista VEJA. Censurada em várias partes, Hermilo não permitiu que a revista divulgasse a entrevista realizada, no Recife, no final do ano de 1975. A entrevista está reproduzida, na íntegra, no livro A PALAVRA DE HERMILO, que organizei com Leda Alves, publicado pela Companhia Editora de Pernambuco-CEPE, em 2007. Este é o trecho destacado :

"Cada um descobre o seu Nordeste. Há o Nordeste de Gilberto Freyre, o de José Lins do Rego, o de Graciliano Ramos, o de Ariano Suassuna. É natural. Eu mesmo, agora, estou descobrindo outro Nordeste. Agora, neste meu Nordeste da zona da mata-sul, as pessoas ressuscitam, traem, castigam, são castigadas, enchem-se de amores loucos e obsessões, formam uma frenética procissão com os vícios mais cultivados do nosso tempo. Há pessoas que levitam, outras que pairam no ar, outras que atravessam terras voando, há peixes que, depois de mortos, voltam a viver, há bois misteriosos, rãs gigantescas, cavalos metade de carne e metade de folha de flandres, mortos convivendo com os vivos. E isto é verdade. Basta prestar atenção."

Expliquei que a Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho foi criada em Palmares, terra natal do escritor, no ano de 1983, com os seus objetivos "em consonância com as metas de estímulo aos valores artísticos locais, de incentivo e de promoção de todas as manifestações culturais da cidade dos Palmares,bem como das cidades da Região Mata Sul do Estado de Pernambuco." E que, ao exercer a sua presidência, de 1984 a 1987, tentei realizar essa ação regional, como deixei claro na carta aberta dirigida à Região Mata Sul,em março de 1987, ao entregar o cargo para o qual fui indicado pelo prefeito Luiz Portela de Carvalho :

"O projeto é muito importante, arrojado e, mesmo realista, ultrapassa os limites de Palmares,exigindo condições de regionalização, de uma direta participação dos municípios da Região Mata Sul e do Governo do Estado, por sua complexidade e amplitude. Exemplo mais evidente disto é já a existência de propostas da nossa administração, em mãos do prefeito Odorico Freire, para a criação do Centro Cultural Aristóteles Soares, em Catende, e, em mãos do prefeito Nelson de Brito, para a criação do Centro Cultural Laurênio Lima, em Ribeirão."

Dez anos depois, em 1997, ao voltar a presidir a Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, a convite do prefeito de Palmares, Francisco de Assis Rodrigues, pude ainda dar um passo adiante, com a publicação da Revista ATLÂNTICA - Cultura e Desenvolvimento da Região Mata Sul de Pernambuco (Número 1,maio/junho, 2003). Infelizmente esse projeto editorial não foi devidamente acolhido e animado no universo cultural da região, sobretudo pela insensibilidade de secretários de educação e cultura e de prefeitos - da própria Palmares e dos municípios vizinhos.

Criada há 26 anos, a Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho - a primeira fundação cultural criada no Interior de Pernambuco -, do município dos Palmares, mantida pela sua Prefeitura, reabrirá, ainda neste semestre, a sua sede, o Teatro Cinema Apolo, restaurado e com melhorias patrocinadas pelo PROMATA/FUNDARPE/GOVERNO DE PERNAMBUCO. Na estrutura administrativa da Fundação existe também a Estação Cultural dos Palmares (antiga Estação Ferroviária). No artigo O GOVERNO DE PERNAMBUCO E A FUNDAÇÃO HERMILO, publicado no Diário de Pernambuco (Recife, 11/junho/2009), pude ressaltar que "tudo isso pertence a Palmares e pode pertencer diretamente a toda a comunidade da Mata Sul de Pernambuco." Assim concluí o artigo :

"Objetivamente, será necessário que o Governo do Estado concretize a criação da FUNDAÇÃO REGIONAL ESCRITOR HERMILO BORBA FILHO, com base nos objetivos e no patrimônio da instituição palmarense, em parceria com a Prefeitura dos Palmares e dos demais municípios da região que poderão se beneficiar diretamente com as ações culturais empreendidas por essa nova instituição - a primeira fundação regional de cultura do Estado de Pernambuco e, talvez, do Nordeste brasileiro."

Após o painel, em conversa à parte com o escritor Antonio Neto, coordenador geral do Encontro, adiantei que ele considerasse o município dos Palmares - terra de Ascenso Ferreira e de Hermilo Borba Filho - candidato inscrito para realizar o "II Encontro Pernambucano de Escritores" em janeiro/2011. (JUAREIZ CORREYA)