terça-feira, 17 de dezembro de 2013

ELIANE BRUM : "VAGINA, UMA BIOGRAFIA", DE NAOMI WOLF






"A revolução ocidental sexual falhou. 
 (...) 
 Ao contrário do que somos levados a crer, a vagina está longe de ser livre no Ocidente nos dias de hoje. Tanto pela falta de respeito como pela falta de entendimento do papel que ela exerce."  (Naomi Wolf, em VAGINA, UMA BIOGRAFIA). 


Quem escreve sempre tem um desejo. O meu é que talvez, em vez de dizer "que nojo!", ao ler este texto você contenha a agressão ou a piada, sempre mais fáceis porque calam a possibilidade de reflexão.  E comece a pensar sobre a vagina e o papel que cada um de nós desempenha, tanto nos atos quanto nas palavras quanto nas omissões, mesmo naqueles comentários que você acredita ser apenas uma mostra de humor, na reprodução de uma cultura de estupro e de morte das mulheres.  Morte física, mas também psíquica e criativa. Morte do desejo. Uma cultura que tem ampliado e alcançado parâmetros novos com o poder de difusão da Internet.

Se a violência contra a vagina tem aparecido - e em alguns casos aumentado - em diferentes espaços da sociedade, é legítimo pensar que o ímpeto de fortalecer a resposta repressiva ao desejo feminino possa revelar que as mulheres estejam assumindo um controle maior sobre seus corpos e a sua sexualidade.  Neste sentido, a necessidade de fazer vítimas seria uma reação ao fato de as mulheres se recusarem com maior veemência a ocupar o lugar de vítimas. Nesta hipóteses, a Marcha das Vadias, que começou no Canadá e ganhou o mundo e também o Brasil, é um exemplo contundente de uma ação feminina que desloca o imaginário, ao se apropriar da palavra da violência e transformá-la numa afirmação de potência, embaralhando a lógica machista.  Mais uma vez a vagina vive tempos turbulentos. Que são tempos de violência, já sabemos. Que sejam tempos de libertação, depende de nós.
 (ELIANE BRUM, escritora, repórter e documentarista - http://twitter.com/brumelianebrum)


___________________________________________________
Transcrito do jornal EL PAÍS 
(http://brasil.elpais.com/brasil/2013/12/09/opinion)