domingo, 21 de novembro de 2010

BLOG DE ANTONINO : 1 ano de jornalismo e literatura no Cabo de Santo Agostinho

Informações sobre a vida cultural do município do Cabo de Santo Agostinho (PE), região metropolitana do Grande Recife, poemas de autores locais e pernambucanos em geral, poemas e a prosa diversificada do poeta e dramaturgo cabense Antonino Junior,são a tônica do BLOG DE ANTONINO (http://antoninojr.blogspot.com) que, nesta penúltima semana de novembro (do dia 23 ao dia 26) festeja 1(um) ano de atividade.
Antonino cria, todos os dias, o milagre da comunicação cultural na sua terra, a querida e histórica pátria de Celina de Holanda, Barreto Junior, dos seus criativos irmãos - Roberto Menezes, Douglas Menezes -, do seu companheiro de geração, poeta Natanael Lima Junior, e de Joel Marcos e Ivan Marinho, entre outros.
Antonino Junior é membro da Academia Cabense de Letras, já presidiu o Conselho Municipal de Cultura da sua cidade, publicou seis livros e escreveu oito peças teatrais. É o idealizador do Projeto Casa da Memória do Cabo de Santo Agostinho, coordenado pelo Centro Cultural Casa da Memória, que já foi também presidido por ele. Criou e é coordenador do Centro de Estudos e Divulgação do Evangelho.
Atuante, como o seu criador, o BLOG DE ANTONINO, com certeza, terá vida longa : o tempo do futuro do Cabo de Santo Agostinho. (Juareiz Correya)

O CRIME DA "NÃO-LEITURA"

"Porque não podem existir leis que nos defendam de nós mesmos, nenhum código prevê punição para os casos contra a literatura. Entre esses casos, o mais grave não é que os autores sejam perseguidos, que a censura imponha seus limites, que os livros sejam queimados na fogueira. O crime mais grave é o desprezo aos livros, sua NÃO-LEITURA."



JOSEPH BRODSKI
(Prêmio Nobel de Literatura 1987 /
Estocolmo, Suécia)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA - Juareiz Correya (1951)

PASSAGEM NA PONTE



estou aqui, no meio da ponte
no raio do dia (ou no açoite da noite)
no vão desta vida, no passo das águas
amanhecendo de tarde sem hora de anoitecer desperto
com a mesma sede afogada na garganta
despejando as enchentes da fala nos rios.
estou aqui, em cima da ponte
não sou boi nem voarei além do Equador,
não vou correr da polícia,
não tenho argumentos nem malícia,
não vou pular frevo ou maracatu,
não sou punguista nem sou camelô.
dentro da ponte é onde estou
e não me interessa se você para ou passa
se você pensa qualquer coisa ou se acha graça
e desconversa direto antes de chegar na esquina.
não me interessa se você é macho ou fêmea,
ou se investe porrilhões e tantos na Bolsa de Valores.
interessa é que eu estou aqui
na ponte,
sem pregão, sem comício, sem saber direito
como lhes falar de encontros e entregas e dores
e vocês têm uma pressa infernal que atrapalha
com os instantes contados por um sistema canalha,
dando graças ao seguro de todos os dias,
estúpida promessa,
para que os porcos não lhes cortem as cabeças.
vocês têm famílias, posses e silêncios horríveis
para cultivar e multiplicar a vida inteira.
(e nada como palavras, só palavras, que tão aéreas soam,
como as que eu te ofereço, irmão,
dispara jato mais veloz no sangue do coração).
vocês não ouvem nada, eu sei,
e nada têm para dizer também.
igualmente motorizados dentro da cidade das horas
vocês não dispõem de tempo,
vocês pensam que aceleram sua própria sorte,
vocês sabem apenas que nós somos inúteis, jamais necessários.
no passeio da ponte sou eu quem falo
e aqui me acendo, me dou e me escangalho
aqui sou poeta, oferta, passagem.


(in POESIA VIVA DO RECIFE, 1996)



.......................................



CANÇÃO PARA VICTOR JARA



"o canto tem sentido
quando palpita nas veias
de quem morrerá cantando
as verdades verdadeiras"
(VICTOR JARA)




morrerei cantando, Victor Jara.
depois dos dedos cortados
as mãos sangrarão ritmos e cordas
e a canção elevará minha voz.
e me cortarão os pulsos
e os tocos dos meus braços
sem instrumentos sustentar
rubros vão balançar
sem minha canção parar.
meus dentes serão quebrados
na minha garganta prensados
na garganta entulhados
no meu canto sufocado.
meu rosto disforme de insultos
virado na sanha dos brutos
vai minha vontade cantando
na cara do povo mostrar.
além da loucura e dos urros
da soldadesca assassina
além de chutes e murros
e da bala que elimina
- nesta praça de esportes
onde nos jogam com a morte -
meu povo não calará,
minha voz vai mais cantar,
meu canto não morrerá.
morrerei cantando, Victor Jara.


(in AMÉRICA INDIGNADA, 1986)




____________________________________
Transcrito da antologia
PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA
- organização de Antonio Campos
e Cláudia Cordeiro
(2a. edição, Carpe Diem Edições e Produções,
Recife, PE, 2010)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

POEMAS DE ALEX PIMENTEL VIDAL (Peru - *1984 +2010)

HOY ME JURÉ NO SER TONTO ÚTIL


na rua me olham
porque não me visto como eles,
não escuto a música igual a eles,
não como igual a eles,
quem pensa com cérebro estranho
hoje não será enterrado, um autômato
não vai contemplar a caixa de doidos da TV
não encherá os bolsos das multinacionais
hoje como nunca no meu país
estão nos jogando como macacos, com os seus circos.
hoje como nunca no meu país
a pobreza de igual maneira
é repartida equitativamente
e a encontramos em toda parte.
a mente como uma folha branca
sem controle nem domínio
pronta para consumir o que parece branco
o que se traveste de santo, o parricídio.
Em breve o povo vai emergir
da obscuridão onde vive
para tomar o poder.

...................................



DESDE QUE TE CONOCI


Somente de você fala o meu coração
Cada latido te chama
Pronuncia teu nome
Também murmura
Não fique longe dos meus braços !
Se algum dia deixas de escutá-lo
É porque o meu coração
Não tem mais eco,
Por estar debaixo da terra...


..................................





De uma verdade estou seguro... que...
Da fonte quero beber a água
Das montanhas vem a vida e a ordem
Da cidade vem a morte.


__________________________________
ALEX PIMENTEL VIDAL - Nasceu em janeiro de 1984
no distrito de Tocache e, recém-nascido, foi
levado pelos pais para viver em Huancaspata
(Peru), onde estudou e se projetou como poeta
e orador. Publicou estes livros de poesia :
GALLOS DE LA MEDIANOCHE, LA SOMBRA DE LA MUERTE,
QUANDO LA HORA LLEGA, POR LOS ANDES DEL PERU.
....................
Alex Pimentel Vidal foi assassinado brutalmente,
a mando de políticos locais, no dia 16 de outubro
deste ano, na municipalidade distrital de
Huancaspata, onde vivia e trabalhava na emissora
de rádio "Radial".
(Transcrito do site POETAS DEL MUNDO
-http://www.poetasdelmundo.com)

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Maria de Lourdes Hortas : "A obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen" no FESTLATINO

A poetisa luso-brasileira Maria de Lourdes Hortas, diretora cultural do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco, participa da mesa redonda "Os extremos da Neolatinidade", do IV FESTLATINO, com a palestra "A obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen" (nesta sexta-feira, 12 de novembro, às 16 horas, na FAFIRE).
O Movimento FESTLATINO (http://www.festlatino.com), criado no Recife pelo escritor Humberto França, se amplia e já realizou três congressos na cidade e três seminários internacionais : Lisboa, em abril, Maputo, Moçambique, em junho, e Buenos Aires em julho de 2010.
O presidente de honra do Movimento FESTLATINO é o Dr. Mário Soares, ex-presidente de Portugal.
O FESTLATINO, em sua 4a. edição, registra a participação de países da Europa e América Latina. Este ano o evento homenageia o escritor antolano José Eduardo Agualusa.
No encontro, realizado de 8 a 12 de novembro/2010, estão presentes escritores, professores, artistas e representantes culturais de países europeus e da América Latina - Espanha, Portugal, Itália, Venezuela e Argentina. O tema do evento é "Diálogo Cultural e os Desafios da Intercompreensão : África, América Latina e Europa".

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA : Um painel da poesia pernambucana do Século XX ao XXI

A segunda edição da antologia PERNAMBUCO,TERRA DA POESIA,organizada por Antonio Campos e Cláudia Cordeiro, será lançada às 16 horas do próximo sábado, 13 de novembro, na FLIPORTO (Parque do Carmo, Olinda, PE),junto com as antologias PANORÂMICA DO CONTO EM PERNAMBUCO e CRONISTAS DE PERNAMBUCO.

PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA, publicada pelo IMC-Instituto Maximiano Campos,do Recife, e Escrituras Editora e Distribuidora, de São Paulo, em sua primeira edição (2006), com prefácio de Hildeberto Barbosa Filho e comentários de Gilberto Mendonça Teles, reuniu 161 poetas nascidos no Estado e 33 que fizeram de Pernambuco o seu domicílio literário. De acordo com o organizador Antonio Campos, existe "neste trabalho, um propósito claro e objetivo : o registro, neste trem de muitas estações, de suas passagens; os poemas aqui inseridos serão documentos inegáveis da intenção desta coletânea; uma prova que resistirá ao tempo. Esta coletânea vai desde o primeiro poema escrito no Brasil, "Prosopopéia", de Bento Teixeira, até a Geração 65 e alguns poetas de gerações posteriores.
São os seguintes os autores publicados na antologia, em ordem cronológica ( nascidos desde o ano de 1550 até o ano de 1987):
Bento Teixeira, Rita Joanna de Souza, Manuel de Souza Magalhães, Luiz Alves Pinto, João Nepomuceno da Silva Portella, Frei Caneca, Natividade Saldanha, Maciel Monteiro, Tobias Barreto,Vitoriano Palhares, Carneiro Vilela, Francisco Altino de Araújo, Francisca Isidora Gonçalves da Rocha, Anna Alexandrina Cavalcanti D'Albuquerque, Joana Tiburtina da Silva Lins, Maria Heraclia de Azevedo, Medeiros e Albuquerque, Farias Neves Sobrinho, Demóstenes de Olinda, Paulo de Arruda, Targélia Barreto de Meneses, Bastos Tigre, Emília Leitão Guerra, Mário Melo, Edwiges de Sá Pereira, Manuel Bandeira, Paulino de Andrade, Adelmar Tavares, Esdras Farias, Olegário Mariano, Ascenso Ferreira, Joaquim Cardozo, Múcio Leão, Austro Costa, Vanildo Bezerra, Vicente do Rego Monteiro, Gilberto Freyre, Pedro Xisto, Eugênio Coimbra Jr., Solano Trindade, Hélder Câmara (Dom), Benedito Cunha Melo, Mauro Mota, Waldemar Cordeiro, Waldemar Lopes, Lourival Batista, Odile Vital Cantinho, Celina de Holanda, Tomás Seixas, Carlos Moreira, Deolindo Tavares, Homero do Rêgo Barros, Clélia Silveira, João Cabral de Melo Neto, Potiguar Matos, Edson Régis, César Leal, William Ferrer Coelho, Waldimir Maia Leite, Geraldino Brasil, Edmir Domingues, Ariano Suassuna, Deborah Brennand, Job Patriota, Carlos Pena Filho, Audálio Alves, Lúcio Ferreira, Mauro Salles, Olímpio Bonald Neto, Nelson Saldanha, Montez Magno, Cyl Gallindo, Orley Mesquita, Sebastião Uchoa Leite, Francisco Bandeira de Mello, Esman Dias, Myriam Brindeiro, Severino Filgueira, Jorge Wanderley, Arnaldo Tobias, Eugênia Menezes, Janice Japiassu, Lenilde Freitas, Paulo Cardoso, Maria da Paz Ribeiro Dantas, Maria de Lourdes Hortas, Paulo Bandeira da Cruz, Ana Maria César, Chicão (Francisco José Trindade Barrêtto), Maximiano Campos, Tarcísio Meira César, Alberto da Cunha Melo, Ângelo Monteiro, Sérgio Bernardo, José Carlos Targino, Marcus Accioly, Orismar Rodrigues, Cloves Marques, Domingos Alexandre, Everardo Norões, Jaci Bezerra, Lourdes Sarmento, Marcelo Mário de Melo, Marcos Cordeiro, Sebastião Vila Nova, Almir Castro Barros, Ivanildo Vila Nova, Jairo Lima, José Rodrigues de Paiva, Paulo Caldas, Vital Correa de Araújo, Wilson Araújo de Souza, Antonio de Campos, José Almino, Sérgio Albuquerque, Celso Mesquita, José Mário Rodrigues, Lourdes Nicácio, Luiz Carlos Duarte, Marco Polo Guimarães, Pedro Américo de Farias, Vernaide Wanderley, Bartyra Soares, Fernando Monteiro, Paulo Bruscky, Tereza Tenório, Alvacir Raposo, Lucila Nogueira, Elizabeth Hazin, Juareiz Correya, Márcia Maia, Cícero Melo, Marilena de Castro, Eduardo Diógenes, Dione Barreto, Walter Cabral de Moura, Tarcísio Regueira, Zeto, Luiz Carlos Monteiro, Paulo Gustavo, Erickson Luna, Flávio Chaves, Francisco Espinhara, Luís Manoel Siqueira, Eduardo Martins, Isac Santos, Cida Pedrosa, Weydson Barros Leal, Marcelo Pereira, Mário Hélio, Fátima Ferreira, Marcos D'Morais, Silvana Menezes, S.R. Tuppan, Malungo, Micheliny Verunschk, Pietro Wagner, Delmo Montenegro, Antonio Marinho.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

PERNAMBUCO EM ANTOLOGIAS : edições impressa e eletrônica

O IMC-Instituto Maximiano Campos e a Carpe Diem Edições e Produções, além da versão impressa das antologias PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA (organização de Antonio Campos e Cláudia Cordeiro), PANORÂMICA DO CONTO EM PERNAMBUCO (org. de Antonio Campos e Cyl Gallindo) e CRONISTAS DE PERNAMBUCO (org. de Antonio Campos e Luiz Carlos Monteiro),com design de Patrícia Lima, promovem também o lançamento da versão eletrônica desses livros.

O projeto "Pernambuco em Antologias", em sua versão eletrônica, inaugura na FLIPORTO, no próximo sábado, dia 13/novembro, o MICBOOK, "ferramenta desenvolvida pelo MIC Pernambuco com o intuito de democratizar o acesso dos escritores a serviço de publicação online e disponibilização de seus livros através dos meios digitais, permitindo também a comercialização", informa Antonio Campos, curador da FLIPORTO.

Quem visitar a FLIPORTO DIGITAL poderá folhear as páginas dessa coleção da Carpe Diem em computador HP Touch disponibilizado para os visitantes. Sobre o MICBOOK o designer Eduardo Oliveira apresentará palestra, às 13h30m, no domingo, dia 14 deste mês de novembro.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Poesia no Twitter : FLIPORTO divulga os vencedores do "Prêmio TOC 140"

O curador da FLIPORTO, advogado e escritor Antonio Campos, divulgou, no site FLIPORTO Digital (http://www.fliporto.net) os textos dos vencedores do "Prêmio TOC 140" : Carlos Seabra, primeiro lugar (3 mil reais), Kleber Bordinhão,segundo lugar (2 mil reais) e Marcelo Melo Soriano, terceiro lugar (1 mil reais).

Antonio Campos, Antonio Miranda, Delasnieve Daspet e Cláudia Cordeiro (coordenadora da FLIPORTO Digital)formaram a Comissão Julgadora. Os vencedores foram eleitos em uma votação online que registrou o número recorde de mais de 1 milhão e 200 mil votos.

Os poetas twitteiros serão incluídos na coletânea OS CEM MELHORES DO TOC 140, com lançamento programado para o dia 15 de novembro, às 16 horas, na Biblioteca Pública de Olinda (Parque do Carmo), no momento da entrega dos prêmios com transmissão ao vivo na Internet.

Primeiro lugar /
CARLOS SEABRA (São Paulo - SP)
@seabra

No despenhadeiro / a sombra da pedra /cai primeiro




Segundo lugar /
KLEBER BORDINHÃO (Ponta Grossa, PR)
@kabs82

essa aparente imperícia / dos meus dedos, mãos e braços / nada mais é que malícia / o mais seu, dos meus traços.



Terceiro lugar /
MARCELO MELO SORIANO (Santa Maria - RS)
@euFRASE

Já foi dito que palavras são mortais. Eu diria que palavras são incertas, mas as certeiras podem ser fatais.



FLIPORTO Digital divulgou ainda os twitteiros que completam a lista dos 10 mais votados :
Múcio de Lima Goes (Recife, PE), quarto lugar; Luana Silva Pires (Recife, PE), quinto lugar; Lilian Tavares (Vila Isabel, RJ), sexto lugar; André Luís Gabriel (Caieiras, SP), sétimo lugar; Felipe Cerquize (Campo Grande, RJ), oitavo lugar; Sonia Maria Carriel Brandão (Bauru, SP), nono lugar; e Marina Rabelo Caldas (Natal, RN),décimo lugar.

sábado, 6 de novembro de 2010

PERNAMBUCO EM ANTOLOGIAS DE POESIA, CONTO E CRÔNICA

O IMC-Instituto Maximiano Campos e a Editora Carpe Diem, do Recife, promovem o lançamento de três grandes antologias pernambucanas, sábado, 13/novembro próximo, às 16 horas, na Feira do Livro da FLIPORTO (Parque do Carmo, Olinda, PE). Mais de 160 poetas integram a antologia PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA, organizada por Antonio Campos e Cláudia Cordeiro; 114 contistas participam da antologia PANORÂMICA DO CONTO EM PERNAMBUCO, organizada por Antonio Campos e Cyl Gallindo; e 102 cronistas fazem parte da antologia CRONISTAS DE PERNAMBUCO, organizada por Antonio Campos e Luiz Carlos Monteiro.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

OS PORÕES DA PRIVATARIA , de Amaury Ribeiro Jr. (2)



A trajetória do empresário Gregório Marin Preciado, ex-sócio, doador de campanha e primo do candidato do PSDB à Presidência da República mescla uma atuação no Brasil e no exterior. Ex-integrante do conselho de administração do Banco do Estado de São Paulo (BANESPA), então o banco público paulista - nomeado quando Serra era secretário de planejamento do governo estadual, Preciado obteve uma redução de sua dívida no Banco do Brasil de R$ 448 milhões para irrisórios R$ 4,1 milhões. Na época, Ricardo Sérgio de Oliveira era diretor da área internacional do BB e o todo poderoso articulador das privatizações sob FHC.

(Ricardo Sérgio é aquele do "estamos no limite da irresponsabilidade. Se der m..."). Ricardo Sérgio também ajudaria o primo de Serra, representante da Iberdrola, da Espanha, a montar o consórcio Guaraniana. Sob influência do ex-tesoureiro de Serra e de FHC, mesmo sendo Preciado devedor milionário e relapso do BB, o banco também se juntaria ao Guaraniana para disputar e ganhar o leilão de três estatais do setor elétrico.

O que é mais inexplicável, segundo o autor, é que o primo de Serra, imerso em dívidas, tenha depositado US$ 3,2 milhões no exterior através da chamada conta Beacon Hill, no banco JP Morgan Chase, em Nova York. É o que revelam documentos inéditos obtidos dos registros da própria Beacon Hill em poder de Ribeiro Jr. E mais importante ainda é que a bolada tenha beneficiado a Franton Interprises. Coincidentemente, a mesma empresa que recebeu depósitos do ex-tesoureiro de Serra e de FHC, Ricardo Sérgio de Oliveira, de seu sócio Ronaldo de Souza e da empresa de ambos, a Consultatun. A Franton, segundo Ribeiro, pertence a Ricardo Sérgio.

A documentação da Beacon Hill levantada pelo repórter investigativo radiografa uma notável movimentação bancária nos Estados Unidos realizada pelo primo supostamente arruinado do ex-governador. Os comprovantes detalham que a dinheirama depositada pelo parente do candidato tucano à Presidência na Franton oscila de US$ 17 mil (3 de outubro de 2001) até US$ 375 mil (10 de outubro de 2002). Os lançamentos presentes na base de dados da Beacon Hill se referem a três anos. E indicam que Preciado lidou com enormes somas em dois anos eleitorais - 1998 e 2002 - e em outro pré-eleitoral - 2001. Seu periodo mais prolífico foi 2002, quando o primo disputou a presidência contra Lula. A soma depositada bateu em US$ 1,5 milhão.

O maior depósito do endividado primo de Serra na Beacon Hill, porém, ocorreu em 25 de setembro de 2001. Foi quando destinou à offshore Rigler o montante de US$ 404 mil. A Rigler, aberta no Uruguai, outro paraíso fiscal, pertenceria ao doleiro carioca Dario Messer, figurinha fácil desse universo de transações subterrâneas. Na operação Sexta-Feira 13, da Polícia Federal, desfechada no ano passado, o Ministério Público Federal apontou Messer como um dos autores do ilusionismo financeiro que movimentou, através de contas no exterior, US$ 20 milhões derivados de fraudes praticadas por três empresários em licitações no Ministério da Saúde.

O esquema Beacon Hill enredou vários famosos, entre eles o banqueiro Daniel Dantas. Investigada no Brasil e nos Estados Unidos, a Beacon Hill foi condenada pela justiça norte-americana, em 2004, por operar contra a lei.

Percorrendo os caminhos e descaminhos dos milhões extraídos do país para passear nos paraísos fiscais, Ribeiro Jr. constatou a prodigalidade com que o círculo mais íntimo dos cardeais tucanos abre empresas nessas áreas financeiras sob as palmeiras e o sol do Caribe. Foi assim com Verônica Serra. Sócia do pai na ACP Análise da Conjuntura, firma que funcionava em São Paulo em imóvel de Gregório Preciado. Verônica começou instalando, na Flórida, a empresa Decidir.com.br, em sociedade com Verônica Dantas, irmã e sócia do banqueiro Daniel Dantas, que arrematou várias empresas nos leilões de privatização realizados na era FHC.



__________________________________

Introdução do livro inédito
OS PORÕES DA PRIVATARIA,
do jornalista Amaury Ribeiro Jr./
Transcrito do blog CONVERSA AFIADA
(http://www.conversaafiada.com.br),
de Paulo Henrique Amorim.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

OS PORÕES DA PRIVATARIA, de Amaury Ribeiro Jr.




Quem recebeu e quem pagou propina. Quem enriqueceu na função pública. Quem usou o poder para jogar dinheiro público na ciranda da privataria. Quem obteve perdões escandalosos de bancos públicos. Quem assistiu os parentes movimentarem milhões em paraísos fiscais. Um livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr. que trabalhou nas mais importantes redações do país, tornando-se um especialista na investigação de crimes de lavagem de dinheiro, vai descrever os porões da privataria da era FHC. Seus personagens pensaram ou pilotaram o processo de venda das empresas estatais.
Ou se aproveitaram do processo. Ribeiro Jr. promete mostrar, além disso, como ter parentes ou amigos no alto tucanato ajudou a construir fortunas. Entre as figuras de destaque da narrativa estão o ex-tesoureiro de campanhas de José Serra e Fernando Henrique Cardoso, Ricardo Sérgio de Oliveira, o próprio Serra e três dos seus parentes : a filha Verônica Serra, o genro Alexandre Bourgeois e o primo Gregório Marin Preciado. Todos eles, afirma, tem o que explicar ao Brasil.

Ribeiro Jr. vai detalhar, por exemplo, as ligações perigosas de José Serra com seu clã. A começar por seu primo Gregório Marin Preciado, casado com a prima do ex-governador Vicência Talan Marin. Além de primos, os dois foram sócios. O "Espanhol", como (Marin) é conhecido, precisa explicar onde obteve US$ 3,2 milhões para depositar em contas de uma empresa vinculada a Ricardo Sérgio de Oliveira, homem-forte do Banco do Brasil durante as privatizações dos anos 1990. E continuará relatando como funcionam as empresas offshores semeadas em paraísos fiscais do Caribe pela filha - e sócia do ex-governador, Verônica Serra e por seu genro, Alexandre Bourgeois. Como os dois tiram vantagem das suas operações, como seu dinheiro ingressa no Brasil...
Atrás da máxima "Siga o dinheiro!", Ribeiro Jr. perseguiu o caminho de ida e volta dos valores movimentados por políticos e empresários entre o Brasil e os paraísos fiscais do Caribe, mais especificamente as Ilhas Virgens Britânicas, descoberta por Cristóvão Colombo em 1493 e por muitos brasileiros espertos depois disso. Nessas ilhas, uma empresa equivale a uma caixa postal, as contas bancárias ocultam o nome do titular e a população de pessoas jurídicas é maior do que a de pessoas de carne e osso. Não é por acaso que todo dinheiro de origem suspeita busca refúgio nos paraísos fiscais, onde também são purificados os recursos do narcotráfico, do contrabando, do tráfico de mulheres, do terrorismo e da corrupção.




_________________________________
Introdução do livro inédito
OS PORÕES DA PRIVATARIA,
do jornalista Amaury Ribeiro Jr./
Transcrito do blog CONVERSA AFIADA
(http://www.conversaafiada.com.br),
de Paulo Henrique Amorim

sábado, 23 de outubro de 2010

AMERICANTO no projeto "Quartas Literárias" de Olinda

Coordenado pela poetisa e atriz Silvana Menezes, o projeto "Quartas Literárias", do Centro de Cultura Luiz Freire (Rua 27 de Janeiro, 181, Carmo, Olinda) promove o lançamento do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, de Juareiz Correya, quarta-feira, 27 de outubro, a partir das 19 horas. Na ocasião, ocorrerá também a apresentação de um recital de poemas do livro com a participação de poetas locais convidados. O poeta e professor olindense Bezerra de Lemos saudará o autor. E, sob a coordenação de Francisco Mesquita, professor de Literatura da FUNESO, alunos do Curso de Letras devem prestigiar o lançamento do AMERICANTO em Olinda.


POESIA PUBLICADA NO SÉCULO 20


Nascido em Palmares (PE), cidade conhecida como "terra dos poetas", Juareiz Correya vive no Recife e exerce a função de diretor editorial da Panamérica Nordestal Editora.
O livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 reune textos de duas edições da antologia POETAS DOS PALMARES (1973/1987), de outras antologias, livretos, folhetos, do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA, lançado pela Nordestal Editora, do Recife, em 1982, e os desenhos da quadrinização do poema "Americanto", de Roberto Portella, publicados em álbum, no ano de 1993, pelas editoras pernambucanas Nordestal e Bagaço.
"São mais de 80 poemas, publicados de 1970 a 1993, e quase esse mesmo número de poemas - que são do primeiro livro que eu editei em São Paulo e do CORAÇÃO PORTÁTIL, publicado no Recife em 1984 e 1999 - não foi incluído neste novo livro, que vira a página da minha produção poética no século passado", explica o poeta.
O livro apresenta ainda opiniões, sobre o poema e o poeta, de Hermilo Borba Filho, Mauro Mota, Pelópidas Soares, Paulo Azevedo Chaves, Graça Lins, Jaci Bezerra, Leda Rivas, Geneton Moraes Neto, Montez Magno, Eduardo Lucena, Antonio de Campos e Nagib Jorge Neto, além de ilustrações de Abraão Chagorovisky e Tereza Costa Rego.
O livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 será lançado, em novembro, no Cabo de Santo Agostinho, João Pessoa e Natal.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A INTOCÁVEL BELEZA DO FOGO, de Geraldino Brasil (2)

O POEMA


O poema não deve ser um conjunto de palavras como este
dando uma definição dicionária.
Nem oferecendo uma definição.

Deve ser melhor
do que bom apenas
e não se acabar como o sorvete
que se tomou sem a namorada.

As palavras procuradas pelo seu poeta
não serão daquelas que o leitor
tenha de consultar dicionário
ou, pelas outras do poema,
o deixam desinteressado do trabalho.

O poema deve menos falar e mais dizer.
Pode ter de gritar
a quem tem ouvidos moucos.
Pode falar a quem sabe
ouvir silêncios de uma pessoa que conversa.


************************


O POVO



Pelos caminhos do mundo
um homem, uma mulher, um menino,
o hoje mais antigo da Terra,
o povo.
Homem, mulher,menino,
multiplicação,
multidão,
povo.
O povo manso, submisso,
impertinente, respeitador,
triste, crédulo, desconfiado,
tolo, esperto, formiga que carrega
uma folha verde maior que ele.
É lago e mar selvagem, pede, se dobra,
se levanta, indolência e trabalho duro,
o povo vive,
o povo sobrevive,
povo.
O povo é a fraqueza que cria o poder.
O povo é o rebanho que dorme.
O povo é a boiada que estoura.
É o sonho que sonha.
O povo vive,
o povo sobrevive,
trágico,
cômico,
mágico,
lírico,
épico,
infinito,
povo.


******************************


MAIOR DISTÂNCIA


A maior distância
da Terra é entre duas
portas de apartamentos



*************************


TEU AMOROSO SORRISO


No silêncio se fecunda
a meditação
da teoria.
Mas há o que prescinde de pensamento e palavra,
é a própria beleza,
como a intocável do fogo, como a inesquecível
do teu sorriso amoroso
que hoje procuro na cadeira vazia
do outro lado agora tão distante
daquela nossa mesa.




(do livro A INTOCÁVEL BELEZA DO FOGO,
de Geraldino Brasil
- lançamento da Companhia Editora de Pernambuco - CEPE/
Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco,
nesta terça-feira, 19/outubro,às 19 horas,
na Livraria Cultura, Recife Antigo)

sábado, 16 de outubro de 2010

A INTOCÁVEL BELEZA DO FOGO, de Geraldino Brasil

O livro inédito A INTOCÁVEL BELEZA DO FOGO, do poeta alagoano/pernambucano Geraldino Brasil, que viveu muito tempo no Recife, onde faleceu em fevereiro de 1996, será lançado pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco, na próxima terça-feira, dia 19 deste mês, no auditório da Livraria Cultura (Rua Madre de Deus, s/n, Recife Antigo), às 19 horas, com palestra do poeta e ficcionista pernambucano Fernando Monteiro.

Geraldino Brasil é pseudônimo de Geraldo Lopes Ferreira, nascido, no ano de 1926, em Atalaia (AL). Mudou-se para o Recife nos anos 50 do século passado. Funcionário público federal. Publicou, entre outros, em edição do autor, os seguintes livros de poesia : ALVORADA (1947), CORAÇÃO (1956), POEMAS INSÓLITOS E DESESPERADOS (1972), CIDADE DO NÃO (1979),SONETOS DE SOL (1979), BEM SÚBITO (1986), TODOS OS DIAS, TODAS AS HORAS (1987/1989), LIVRO DE SEXTINAS (1992), SEXTINAS DE SOL (1995), POEMAS DESENTRANHADOS - Das prosas de Dostoievski, Euclides da Cunha, Guimarães Rosa e Fernando Monteiro (1995). O seu livro POEMAS (Ediciones Tecer Mundo, Bogotá, Colômbia, 1982), traduzido pelo poeta Jaime Jaramillo Escobar, tornou o poeta mais conhecido na Colômbia, na Venezuela e no Uruguai, do que no Brasil.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

"Estadão" censura e demite Maria Rita Kehl (2)

"O Brasil mudou nesse ponto. Mas ao contrário do que pensam os indignados da internet, mudou para melhor. Se até pouco tempo os empregadores costumavam contratar, por menos de um salário mínimo, pessoas sem alternativa de trabalho e sem consciência de seus direitos, hoje não é tão fácil encontrar quem aceite trabalhar nessas condições. Vale mais tentar a vida a partir da Bolsa-Família que, apesar de modesta, reduziu de 12% para 4,8% a faixa da população em estado de pobreza extrema. Será que o leitor paulistano tem ideia de quanto é preciso ser pobre, para sair dessa faixa por uma diferença de R$ 200 ? Quando o Estado começa a garantir alguns direitos mínimos à população, esta se politiza e passa a exigir que eles sejam cumpridos. Um amigo chamou esse efeito de "acumulação primitiva da democracia".

Mas parece que o voto dessa gente ainda desperta o argumento de que os brasileiros,como na inesquecível observação de Pelé, não estão preparados para votar. Nem todos, é claro. Depois do segundo turno de 2006, o sociólogo Hélio Jaguaribe escreveu que os 60% de brasileiros que votaram em Lula teriam levado em conta apenas seus próprios interesses, enquanto os outros 40% de supostos eleitores instruídos pensavam nos interesses do País. Jaguaribe só não explicou como foi que o Brasil, dirigido pela elite instruída, que se preocupava com o interesse de todos, tenha chegado ao terceiro milênio contando com 60% de sua população tão inculta a ponto de seu voto ser desqualificado como pouco republicano.

Agora que os mais pobres conseguem levantar a cabeça acima da linha da mendicância e da dependência das relações de favor que sempre caracterizaram as políticas locais pelo interior do País, dizem que votar em causa própria não vale. Quando, pela primeira vez, os sem-cidadania conquistaram direitos mínimos que desejam preservar pela via democrática, parte dos cidadãos que se consideram classe A vem a público desqualificar a seriedade de seus votos."


(Parte final do artigo "Dois Pesos", de Maria Rita Kehl, publicado no jornal O ESTADO DE SÃO PAULO na véspera do primeiro turno da eleição. Dias depois a escritora e psiquiatra foi censurada e demitida pelo "Estadão". /
Transcrito do BLOG DO MIRO - http://altamiroborges.blogspot.com)

sábado, 9 de outubro de 2010

"Estadão" censura e demite Maria Rita Kehl

A escritora e psicanalista Maria Rita Kehl, colunista do jornal O ESTADO DE SÃO PAULO, foi censurada e demitida por causa da publicação do artigo intitulado "Dois Pesos" na véspera da eleição. Transcrevemos do BLOG DO MIRO(http://altamiroborges.blogspot.com) o trecho inicial do artigo publicado por Maria Rita Kehl :

"Este jornal teve uma atitude que considero digna : explicitou aos leitores que apoia o candidato Serra na presente eleição. Fica assim mais honesta a discussão que se faz em suas páginas. O debate eleitoral que nos conduzirá às urnas amanhã está acirrado. Eleitores se declaram exaustos e desiludidos com o vale-tudo que marcou a disputa pela Presidência da República. As campanhas, transformadas em espetáculo televisivo, não convencem mais ninguém. Apesar disso, alguma coisa importante está em jogo este ano. Parece até que temos luta de classes no Brasil : esta que muitos acreditam ter sido soterrada pelos últimos tijolos do Muro de Berlim. Na TV a briga é maquiada, mas na internet o jogo é duro.

Se o povão das chamadas classes D e E - os que vivem nos grotões perdidos do interior do Brasil - tivesse acesso a internet, talvez se revoltasse contra as inúmeras correntes de mensagens que desqualificam seus votos. O argumento já é familiar ao leitor : os votos dos pobres a favor da continuidade das políticas sociais implantadas durante oito anos de Governo Lula não valem tanto quanto os nossos. Não são expressão consciente de vontade política. Teriam sido comprados ao preço do que parte da oposição chama de bolsa-esmola.

Uma dessas correntes chegou à minha caixa postal vinda de diversos destinatários. Reproduzia a denúncia feita por "uma prima" do autor, residente em Fortaleza. A denunciante, indignada com a indolência dos trabalhadores não qualificados de sua cidade, queixava-se de que ninguém mais queria ocupar a vaga de porteiro do prédio onde mora. Os candidatos naturais ao emprego preferiam viver na moleza, com o dinheiro da Bolsa-Família. Ora, essa. A que ponto chegamos. Não se fazem mais pés de chinelo como antigamente. Onde foram parar os verdadeiros humildes de quem o patronato cordial tanto gostava, capazes de trabalhar bem mais que as oito horas regulamentares por uma miséria ? Sim, porque é curioso que ninguém tenha questionado o valor do salário oferecido pelo condomínio da capital cearense. A troca do emprego pela Bolsa-Família só seria vantajosa para os supostos espertalhões, preguiçosos e aproveitadores se o salário oferecido fosse inconstitucional : mais baixo do que metade do mínimo. R$ 200 é o valor máximo a que chega a soma de todos os benefícios do governo para quem tem mais de três filhos, com a condição de mantê-los na escola.

Outra denúncia indignada que corre pela internet é a de que na cidade do interior do Piauí onde vivem os parentes da empregada de algum paulistano, todos os moradores vivem do dinheiro dos programas do governo. Se for verdade, é estarrecedor pensar do que viviam antes disso. Passava-se fome, na certa, como no assustador GARAPA, filme de José Padilha. Passava-se fome todos os dias. Continuam pobres as famílias abaixo da classe C que hoje recebem a bolsa, somada ao dinheirinho de alguma aposentadoria. Só que agora comem. Alguns já conseguem até produzir e vender para outros que também começaram a comprar o que comer. O economista Paul Singer informa que, nas cidades pequenas, essa pouca entrada de dinheiro tem um efeito surpreendente sobre a economia local. A Bolsa-Família, acreditem se quiserem, proporciona as condições de consumo capazes de gerar empregos. O voto da turma da "esmolinha" é político e revela consciência de classe recém-adquirida."

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

CONTOS SINTÉTICOS DE AFFONSO RIQUE

NOSTALGIA

Sozinho, em um daqueles momentos de eterna nostalgia, ele pensou lá com os seus botões. Ah, se eu fosse Deus. Mas era.



A PAIXÃO DE ALBÉRICO

Albérico não se comoveu com a paixão indócil de Alice. Trancou as portas de seu coração impermeável, libertou sua alma dos grilhões do corpo empobrecido e se deixou morrer, ali mesmo, na janela.



VIVO OU MORTO

Vivo ele estava; mas morto de saudades.



A COR DA NOITE

O negro olhou desconsolado para o espelho com seus olhos brilhantes. Mas foi o bastante para descobrir encantado que a ELE é que tinham dado a cor da noite.



_____________________________________________
AFFONSO RIQUE e a sua "biografia sintética" :
advogado, aprendiz de poeta e de escritor,
cervejista emérito, 72 extraordinárias primaveras,
beirando 71 (faço aniversário ao contrário),
um livro publicado em parceria com Jorge Washington
Cisneiros e Leonardo Dantas intitulado CONTOS
DE NENHUM PUDOR (E COM ALGUM GRACEJO), três livros
no prelo (1 de poesia, 1 de causos, 1 de contos),
tem dois amigos (um morto outro moribundo, pensei
num boca-a-boca mas o bicho é feio demais), tentei
um conto sintético e agora me danei a fazê-los,
moro no Recife.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

"I Concurso Nacional CEPE de Literatura Infantil e Juvenil " : premiação em novembro

Mais de 445 obras, de autores de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Goiás, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Amazonas, estão inscritas no "I Concurso Nacional CEPE de Literatura Infantil e Juvenil" promovido pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE /Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco. O volume de inscrições surpreendeu a organização do Concurso, exigindo a prorrogação do prazo da Comissão Julgadora (final de setembro passado), que apresentará o resultado da premiação em novembro próximo.

Os autores concorrem a vários prêmios em dinheiro, num total de 32 mil reais. Os livros premiados darão início a uma coleção especialmente destinada aos públicos infantil e juvenil. O concurso e a nova coleção de livros são uma realização inédita da editora oficial do Governo de Pernambuco.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

POESIA VIVA DA CIDADE : MAIS DE 20 MIL VISITANTES

O blog POESIA VIVA DA CIDADE (http://www.jcorreya.blog-se.com.br), que publicamos no site BLOG-SE, do Portal COMUNIQUE-SE (http://www.comunique-se.com.br) registra um número bastante animador : mais de 20 mil visitantes.
Iniciado em março de 2008, com a publicação exclusiva de textos poéticos (sem ilustrações ou qualquer tipo de atração além do poema, pura e simplesmente), esse número de visitantes, mesmo se levando em conta que, na Internet, os números são sempre astronômicos, dá ânimo e incentivo ao nosso trabalho de divulgação de textos poéticos brasileiros - em sua maioria contemporâneos, de autores que não são "estrelas" e nomes famosos da mídia - com uma temática única : as nossas cidades.

Entre outros, o blog tem poemas publicados de Abel Menezes Filho (PE), Alberto Lins Caldas (PE), José Terra (PE), Maria de Lourdes Hortas (PE), José Eduardo Degrazia (RS), Manoel Onofre Jr.(RN), Gilberto Mendonça Teles (GO), Olímpio Bonald Neto (PE), Fagundes de Menezes (RN), Diógenes da Cunha Lima (RN), Clotilde Tavares (RN), Gerusa Leal (PE), Frederico Barbosa (SP), Dalila Teles Veras (SP), Eunice Arruda (SP), Ieda Estergilda de Abreu (SP), Nelson dos Reis (SP), Luiz Roberto Guedes (SP), Renata Pallottini (SP), Marcelo Moscato Ferreira (SP), Sérgio Galli (SP), Moacyr Félix (RJ), Hélio Rocha da Silva (GO), Aluízio Santos (PE), Antonio Campos (PE), Danielle Romani (PE), Fernando Monteiro (PE), Débora Colaço (PE), Flávio Camboril (PE), Manoel Constantino (PE), Iremar Marinho (AL), Tárik de Souza (RJ), César Jeansen (PE), Wilson Rocha (BA), Luzilá Gonçalves Ferreira (PE) e Luiz de Miranda (RS).

As cidades eternizadas pelos seus poetas são o Recife, Olinda, Palmares, Porto Alegre, Natal, Goiânia, São Paulo, Rio de Janeiro, Maceió e Salvador. (JUAREIZ CORREYA)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

"CELEBRAÇÃO À PALAVRA ESCRITA" NA ACADEMIA PERNAMBUCANA DE LETRAS

As Edições Bagaço e a Academia Pernambucana de Letras-APL, com o apoio do IMC-Instituto Maximiano Campos, promovem, amanhã, às 19 horas, uma prestigiada noite de autógrafos com o lançamento dos livros destes autores :

ANA MARIA CÉSAR - "Habemus vinum. Antimemórias do Absurdo"

CYL GALLINDO - "A intimidade da palavra"

FÁTIMA QUINTAS - "Joaquim Nabuco em quatro tempos"
"Realejos e Cristais"

JORDANA GONÇALVES LEÃO - "Fragmentos de um diário"

LUZILÁ GONÇALVES FERREIRA - "Pedaços"

MILTON LINS - "Charles Baudelaire - Pequenos Poemas em Prosa"

NELSON SALDANHA - "Poemas Escolhidos"

OLIMPIO BONALD NETO - "Vida e Poesia"


Na ocasião, será homenageado o escritor e acadêmico José Nivaldo.


_____________________________________
ACADEMIA PERNAMBUCANA DE LETRAS -APL
Av. Rui Barbosa, 1596
Graças - Recife - PE.
Fone : (81) 32682211

domingo, 26 de setembro de 2010

ARES DE SETEMBRO, de Delasnieve Daspet

Eis setembro,finalmente !
A delicadeza flutua no ar.
Um sorriso desconhecido.
Um adeus de alhures.
O sol suave da tarde bate
Cálido em meus cabelos...

Flores, abelhas, beija-flor,
Na primavera o ciclo se renova.
Pássaros cantam.
Formigas em frenético vai e vem
Parecem gritar : Vida ! Vida !
Chega, magnânimo,setembro !

Alfazema, rosas, araras azuis,
Enfeitam o campo e a cidade...
Nem o ar seco da tarde,
O calor das ruas,
O escasso dinheiro,
A angústia que maltrata,
A ansiedade,
Ou a tua ausência,
Nada !... Nada !...
Nada mudará a beleza dos dias !

Todos os problemas ficam menores...
É setembro pintando um novo pano de fundo,
Com novos atores e a profusão de cores.

E a vida chega,
Com a alegria da água correndo no regato
E a combinação mágica do tempo que não voltará a existir.

Ares de setembro que me toma, embriaga,
Com assombro e magia me mostra que sou única,
Singular, pois só eu tenho as minhas respostas,
Onde quer que eu esteja, estou apenas no início
Pois nasço agora.

A vida que se renova com a primavera
E me mostra que serei eu, para sempre,
Chorando, sonhando, amando, odiando,
Imperfeita, solitária, um ser humano
Que chegou em setembro !


(Campo Grande, MS, 10/setembro/2003)




______________________________________
DELASNIEVE DASPET nasceu em Porto Murtinho,
Mato Grosso do Sul. Poetisa, advogada. Realiza
um importante trabalho social, em benefício de
menores carentes, em Campo Grande (MS), onde
reside. É sub-secretária geral da Associação
Poetas del Mundo (http://www.poetasdelmundo.com).
Publicou os livros de poesia POR UM
MINUTO E PARA SEMPRE, TERTÚLIA NA PRIMAVERA,
e diversos poemas em 3 antologias brasileiras.
Na Internet, publica blogs e o site DELASNIEVE
DASPET (http://www.delasnievedaspet.com.br)

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

COMUNIQUE-SE : Prêmio da Categoria Blog

O BLOG DO TAS (http://marcelotas.blog.uol.com.br), do jornalista Marcelo Tas, venceu a Categoria Blog, do Prêmio COMUNIQUE-SE 2010(http://www.comunique-se.com.br), concorrendo com os blogs dos jornalistas Juca Kfouri (http://blogdojuca.uol.com.br)e de Luís Nassif (http://blogln.ning.com).

Os blogs evoluiram, multiplicaram-se em categorias distintas (são jornalísticos, literários, artísticos, tecnológicos, etc) e o COMUNIQUE-SE,
o Portal da Comunicação, ainda não sabe disso. Tudo bem, o Portal é da comunicação jornalística. Mas, nesse caso, poderia destacar o seu próprio site, o BLOG-SE (http://www.blog-se.com.br), que publica dezenas de blogs de todas as categorias. E não ficar premiando/destacando jornalistas da Grande Mídia, nomes do dia-a-dia da Imprensa, figuras carimbadas que levam vantagem sobre um número incontável de blogueiros que não ocupam espaço nos jornais, rádios e televisões do país.

A vitória de Marcelo Tass é a mesmice do mesmo. (Juareiz Correya)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

AS ÁRVORES ME DIZEM, de Mariana Arraes

Estou de novo sem raízes,
E o templo de meu ser de novo se singulariza,
Caminho por uma floresta alta e fresca.


A liberdade é porque me sinto de passagem;
Tudo me vem do altíssimo,
As coisas de que necessito
Têm um significado preciso.


Minha alma sabe de novo de coisas indizíveis
Quando contemplo as árvores
Imersas no tempo da eternidade.



(do livro A VIDA DAS ÁRVORES,
de Mariana Arraes
- Carpe Diem Edições e Produções,
Recife, PE, 2010)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Panamérica suspende sorteio do álbum original de desenhos AMERICANTO AMAR AMÉRICA

A Panamérica Nordestal Editora, do Recife, não realizará o sorteio promocional do álbum original dos desenhos da quadrinização do poema-título "Americanto Amar América", de Juareiz Correya, criado por Roberto Portella em 1982. O álbum original dos desenhos (16 pranchas, formato 14,5 x 35 cm., papel canson), avaliado em 4 mil reais, seria sorteado no próximo dia 22 de setembro, pela Loteria Federal, entre 500 leitores que adquirissem exemplares da edição especial do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, onde está reproduzido integralmente, lançado no Recife em março deste ano.

A editora recifense decidiu, neste segundo semestre, continuar realizando a distribuição comercial do livro sem a promoção conjunta do álbum original de Roberto Portella que, publicado em 1993, em coedição da Nordestal Editora/Edições Bagaço, é considerado, pelo jornalista e crítico de arte pernambucano Paulo Azevedo Chaves, "uma produção inédita na história editorial brasileira." O livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, com a reprodução de todo o álbum, já lançado no Recife e em Palmares, será lançado, de outubro a dezembro deste ano, em Olinda, Cabo de Santo Agostinho, Vitória de Santo Antão, Caruaru, Garanhuns, João Pessoa, Maceió e Natal.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

NOVO INTERPOÉTICA : mais literatura pernambucana na Internet

"O maior site literário de Pernambuco. Assim pode se dizer sobre o INTERPOÉTICA (http://interpoetica.com), que foi criado em 2005 por Cida Pedrosa e Sennor Ramos e desde então teve uma trajetória crescente no cenário literário pernambucano, e quiçá brasileiro. E neste ano em que comemora cinco anos de vida, ganha um novo portal, no mesmo endereço, porém à altura do espaço.

Em 2009, o site tornou-se o primeiro ponto de cultura digital de Pernambuco, através do projeto aprovado pelo MinC e FUNDARPE. E ancorado na ONG Andararte o portal promoveu projetos sociais, como a inclusão digital em comunidades de baixa renda, além de importantes parcerias.

Enriquecendo ainda mais seu vasto acervo, contará com novos colunistas, como Cícero Belmar, Jomard Muniz de Brito, Marcelo Pereira e Wellington Melo. Além da incorporação de Raimundo de Moraes, como editor junto a Cida e Sennor. O site, só no ano passado, contabilizou mais de 500 mil acessos, e espera muito mais neste ano.

E seguindo a corrente web literária, há outros blogs e sites de literatura em Pernambuco, como o blog do Juareiz Correya (http://letras-leituras.blogspot.com), o Jornal da Besta Fubana (http://www.luizberto.com), o blog Cultura Nordestina (http://culturanordestina.blogspot.com), o site da União Brasileira de Escritores (ube-pe.org.br), dentre outros. Além das páginas pessoais de Raimundo Carrero (http://www.raimundo-carrero.com.br), Wellington Melo (http://wellingtondemelo.com.br), só para citar alguns."

______________________________________

Transcrito da AGENDA CULTURAL DO RECIFE
- http://www.recife.pe.gov.br/agendacultural -,
Agosto, 2010.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Jones Melo passa em Palmares danado pra Catende !





essa força
essa raça
essa poesia
essa vibração
essa amizade
essa luta
esse trem
essa praça paulo paranhos
essa sorveteria estrela
esse cinema apolo
esse club literário
essa festa de n.s.da conceição
e de santa luzia também
essa estação de trem
e esse alto do mataduro
essa beira de rio
essa igreja e esse povo
e essa estrada que vai pra Catende
e essa estrada que vai pra Xexéu
e essa de Água Preta
e essa de Serra Azul
e essa fundação hermilo
e esse meio do mundo
e esse recomeço
e essa biblioteca
e esses poetas
escritores editores
que são sempre como mestre carlos
aprenderam sem serem ensinados


"todo cambiteiro tem um relho
todo carreiro tem um facão
se o esprito não me engana
todo cortador de cana
carrega uma foice na mão
por isso não cuiambe cambiteiro
cambiteiro é de famia
se não fosse cambiteiro
a usina não muia..."



(Poema desentranhado de e-mail, do jornalista, escritor
e ator Jones Melo, datado de 6/09/2010)

domingo, 5 de setembro de 2010

Centenário do dramaturgo pernambucano Aristóteles Soares

O jornalista, escritor e ator Jones Melo, nascido em Catende (PE),coordena e ministra um curso /montagem sobre a dramaturgia de Aristóteles Soares, desde o dia 07/maio deste ano, com encerramento programado para dezembro/2010, quando será encenado o espetáculo VOU DANADO PRA CATENDE. Por iniciativa do Conselho Estadual de Cultura, o curso/montagem vem sendo realizado na sua sede - Rua Oliveira Lima, 813, Boa Vista, Recife, PE, nas terças e sextas-feiras, das 14 às 17h30m. As aulas prosseguem neste mês de setembro de acordo com esta programação : Sexta, 10 - "A convivência com Aristóteles" (Arilena Soares); Sexta, 17 - "Município de São Silvestre" (José Pimentel). Inscrições na sede do Conselho Estadual (telefone 34237658, com Joseli) e com Jones Melo (87773569). As aulas têm intervenções de intérpretes que viveram personagens do universo de Aristóteles, além de familiares convidados - Carlos Reis, Geninha Rosa Borges, Leda Alves, Carmem Peixoto, Clóvis Almeida e Reinaldo de Oliveira, entre outros.



QUEM É ARISTÓTELES SOARES ?


Rio Formoso, onde nasceu, no dia 7 de fevereiro de 1910, Catende, onde viveu com "a dinastia dos Soares", segundo Mauro Mota (era irmão do contista Pelópidas Soares e tio da poetisa Bartyra Soares), a região Mata Sul de Pernambuco e até mesmo as novas gerações do teatro pernambucano desconhecem Aristóteles Soares. Sabe disso Jones Melo, que há 10 anos pesquisa a vida e a obra do dramaturgo e promove, com esse curso/montagem, a primeira iniciativa cultural pernambucana em homenagem ao Centenário de Nascimento de Aristóteles Soares. Em seu projeto, Jones Melo organizou para publicação, ainda neste ano de 2010, a reunião de 7 textos do dramaturgo - CANA BRAVA, TERRA QUEIMADA, AS ÁRVORES, MUNICÍPIO DE SÃO SILVESTRE, O MESSIAS, A TROVOADA e A REPRESA. Esses textos receberam prêmios da Academia Pernambucana e da Academia Brasileira de Letras, e montagens assinadas por diretores como Pascoal Carlos Magno, Valdemar de Oliveira, Luiz Mendonça, José Pimentel e Clênio Wanderley.

Aristóteles Soares, aos 5 anos de idade, mudou-se com a família para Catende, onde estudou e criou textos que Hermilo Borba Filho denominou de "teatro nordestino".

"Na década de 1950 a obra de Aristóteles Soares despertou o interesse de grupos como o Teatro do Estudante do Brasil (Rio de Janeiro), Teatro de Amadores de Pernambuco (TAP), Teatro Popular do Nordeste (TPN), Teatro do Adolescente (Recife), Teatro da UFRPE, a imprensa e a crítica nacional. Joel Pontes, autor de O TEATRO MODERNO EM PERNAMBUCO, identificou o estilo de Aristóteles Soares como realismo sombrio,, ressalta Jones Melo.

sábado, 21 de agosto de 2010

Panamérica relança "Rumor de Vento" e "Americanto Amar América" na Festa do Livro do Recife

Os livros RUMOR DE VENTO, de Maria de Lourdes Hortas, e AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, de Juareiz Correya, serão relançados pela Panamérica Nordestal Editora, de Pernambuco, na "Festa do Livro / 8o. Festival Recifense de Literatura", realização da Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura / Prefeitura da Cidade do Recife, domingo, dia 29/agosto, das 14 às 20 horas, no Recife Antigo.

RUMOR DE VENTO é o décimo livro de poesia publicado pela escritora luso-brasileira Maria de Lourdes Hortas, nascida em São Vicente da Beira, em Portugal, e recifense desde os 10 anos de idade. Também ficcionista e artista plástica, Maria de Lourdes Hortas é, atualmente, diretora cultural do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco. RUMOR DE VENTO foi lançado no Recife em 2009.

AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, de Juareiz Correya, reune 40 anos de poesia publicada pelo poeta e editor pernambucano nascido em Palmares, região Mata Sul do Estado. Já lançado no Recife e em Palmares, no primeiro semestre deste ano, AMERICANTO AMAR AMÉRICA será lançado, de setembro a novembro próximos, em Olinda, Caruaru, Garanhuns, Cabo de Santo Agostinho, Vitória de Santo Antão, João Pessoa, São Paulo e Santo André, região do Grande ABC paulista.

As outras publicações da Panamérica serão promovidas na Festa do Livro com 50% de desconto sobre o preço de capa.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

ARRAES NA BOCA DO POVO

Este livro resgata os trabalhos de poetas populares nordestinos - oito cordelistas e sete repentistas - que criaram, com os seus versos distintos, em fases diversas e ao longo de cinco décadas, uma quase biografia poética de Miguel Arraes de Alencar, uma das figuras mais importantes da história política do Nordeste brasileiro, personagem cuja biografia se confunde com a própria história política do Estado de Pernambuco, em particular, na segunda metade do Século 20.

Os poetas populares nordestinos, atentos à expressão e à identificação do povo com os seus líderes, heróis e santos, retratam, fantasiam e mitificam nomes, fatos, histórias. Na realidade, a poesia faz melhor do que as reportagens, os estudos, as estatísticas e qualquer prosa científica. A poesia é a expressão mais verdadeira do espírito de um povo - e o povo do Nordeste brasileiro afirma isto sempre, com os seus poetas de linguagem simples, sem erudição ou cultura livresca, como os que escrevem e publicam romances populares, os folhetos de feira ou folhetos de cordel, e os poetas-cantores, os cantadores, repentistas, trovadores sertanejos que percorrem as cidades e os Estados nordestinos cantando os seus versos de repente, para qualquer público, ao som das violas.

Este livro registra e reproduz integralmente os textos de oito folhetos, mantendo, com fidelidade, a mesma estruturação das estrofes de cads um e até mesmo os erros de grafia de várias palavras e algumas incorreções gramaticais, no sentido de preservar a feitura original dos versos; cada título em cordel tem reproduzida a capa da publicação editada na época; e documenta os versos de repentistas que, meditados ou improvisados, são um exemplo significativo dessa importante vertente da cultura brasileira, como bem sentencia Ariano Suassuna.

Os cordéis aqui reunidos foram publicados a partir do ano de 1959 - A VITÓRIA DE ARRAES E AS TRÊS QUEDAS DE CLEOFAS -, ano em que Miguel Arraes conquista pela primeira vez o Governo de Pernambuco, e documentam, em seguida, os acontecimentos e datas significativas de toda a trajetória política do eterno governador de Pernambuco. Os repentes são flagrantes registrados em cantorias e publicações de campanhas eleitorais, shows e congressos de cantadores realizados no Recife.

Falecido em agosto de 2005, o personagem central deste livro completaria, em dezembro de 2006, 90 anos de idade, e os versos escritos por estes poetas confirmam o quanto a sua vida é de Pernambuco. A reunião dos trabalhos expressivamente criados por estes poetas homenageia o eterno governador Miguel Arraes de uma forma que raros homens públicos no Brasil puderam merecer - com o espírito, a voz, o talento, a capacidade criativa dos homens do povo -, numa prova de que em toda a sua trajetória de homem público o povo nunca foi uma figura de retórica, que o povo existe e que ele existe (verdade verdadeira) para o povo.


JUAREIZ CORREYA
Recife, 2006

(Ano do 90o. Aniversário de Nascimento
de Miguel Arraes de Alencar)


_______________________________________
Introdução do livro ARRAES NA BOCA DO POVO,
organizado por Juareiz Correya
(Fundação João Mangabeira, Brasília, DF, 2006)

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Programa BNB de Cultura - Edição 2011 - Parceria BNDES : 6 milhões de reais para o Nordeste

Projetos nordestinos nas áreas de Música, Literatura, Artes Cênicas, Artes Visuais, Audiovisual e Áreas de Artes Integradas ou Não Específicas concorrem a patrocínios que totalizam R$ 6 milhões de reais, recursos próprios das instituições que empreendem em conjunto o PROGRAMA BNB DE CULTURA - EDIÇÃO 2011 - PARCERIA BNDES.

As inscrições dos Projetos, iniciadas em 19 de julho, serão encerradas no próximo dia 13 deste mês de agosto. Informações sobre locais de inscrição, Seleção, Habilitação, Contratação e Desembolso, Contrapartidas, Prestação de Contas e o Edital e Formulários de Inscrição podem ser acessados no Portal BNB - BANCO DO NORDESTE / Programa BNB de Cultura (http:www.bnb.gov.br)

terça-feira, 27 de julho de 2010

"I Concurso Nacional CEPE de Literatura Infantil e Juvenil" tem 384 obras inscritas

Com inscrições abertas em abril deste ano, o "I Concurso Nacional CEPE de Literatura Infantil e Juvenil", da Companhia Editora de Pernambuco/Secretaria da Casa Civil/Governo de Pernambuco recebeu, até 30 de junho, data de encerramento, 384 obras inscritas. Autores de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Goiás, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte e Amazonas, enviaram seus originais, concorrendo a três prêmios em cada categoria.

Os textos, na modalidade infantil, destinados a leitores de seis a 10 anos,e juvenil, para adolescentes entre 11 e 16 anos, receberão, em cada categoria, R$ 8 mil para o primeiro colocado, R$ 5 mil para o segundo e R$ 3 mil para o terceiro, num total de R$ 32 mil em prêmios. Originais que não conseguirem alcançar a classificação entre os três primeiros, mas que apresentarem boa qualidade literária, poderão também vir a ser publicados.

Segundo Ricardo Melo, diretor de edição e produção da CEPE, "desde que foi criado no final de 2008 o Departamento Editorial da CEPE, percebeu-se a necessidade de atingir o público infantil e juvenil, num projeto de formação de novos leitores. Como a maioria dos escritores de literatura deste gênero normalmente já está atrelada a alguma editora, surgiu a ideia de abrir o concurso para atrair novos autores, ao mesmo tempo que se divulgava nacionalmente a CEPE como editora de livros."

Para a presidente da Companhia Editora de Pernambuco-CEPE, Leda Alves, "o resultado superou as expectativas. Além de Pernambuco, que teve o maior número de inscritos, foram lideres de participação os estados de Minas Gerais, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. Mas o concurso motivou concorrentes do Amazonas ao Rio Grande do Sul."

O resultado do "I Concurso Nacional CEPE de Literatura Infantil e Juvenil" será conhecido no final do mês de setembro próximo e a festa de premiação será em outubro. Os livros escolhidos darão início a uma coleção para os públicos infantil e juvenil.

sábado, 24 de julho de 2010

PANAMÉRICA NORDESTAL - Um novo site literário e cultural

Quando setembro chegar (2010) a Panamérica Nordestal Editora, do Recife (PE), lançará o site PANAMÉRICA NORDESTAL. Os webdesigners Daniel Panno e João Guarani desenvolvem a sua criação/manutenção. Na primeira página o internauta encontrará as seções e links da Editora (Nossos Autores, Links Jornalísticos e Literários, Edições Musicais), Distribuidora (Editoras parceiras, Livros Virtuais, Loja Virtual, Nosso Catálogo, Edições FLIP), Produções Culturais (Assessorias de Comunicação e Editorial, Editoração/Digitalização, Projetos Artísticos, Jornalísticos e Literários), Internet/Sites (Criação/Edição/Produção, Sites Comerciais, Industriais e Institucionais). O internauta encontrará também as seções Imagem (Artes Plásticas, Gráfica e Visual) e Palavra (Notícias e Textos diversos dos autores e publicações da Panamérica Nordestal).

Em breve divulgaremos o endereço do novo site literário e cultural de Pernambuco que será lançado em setembro/2010 com o apoio de um seleto grupo de patrocinadores da região Nordeste. Mais informações : panamerica.nordestal@oi.com.br / (081) 86852194 e 88259941.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Jornalista e escritor Valdi Coutinho faz apelo comovente para tratamento hospitalar

Em comunicação dirigida à jornalista e sua amiga Leda Rivas, o jornalista e escritor pernambucano Valdi Coutinho (sofre de incontinência urinária e necessita de uma nova cirurgia de catarata) faz um apelo comovente :

"Estou apelando para você me ajudar a conseguir o pagamento (de um mês ao menos) da Golden com alguns amigos até o dia 27 de julho para que eu possa me internar, antes que acumule 2 meses de atraso, o que vai complicar ainda mais a situação. Cada um poderia ajudar-me com R$ 50,00, aí 16 já dariam o total de R$ 800,00 (a mensalidade de julho). Eu posso enviar o boleto de julho para você ver que ainda não pude pagar nem posso. Quem puder me ajudar eu tenho um livro - NO PALCO DA MEMÓRIA -, de minha autoria, para doar, daí porque preciso saber quem depositou para enviar um livro como forma de agradecimento. É aquele livro para o qual você escreveu um texto lindo na contracapa, lembra ? Se alguém quiser/puder colaborar pode depositar na minha conta :

VALDI JOSÉ COUTINHO - Banco do Brasil - Agência 0325-5. - Conta Corrente : 3.075-9."


Mais informações : margot_rodrigues@yahoo.com.br / mpontess@yahoo.com.br


.....................................


O jornalista e escritor Valdi Coutinho já atuou, por longo tempo, no DIARIO DE PERNAMBUCO, supervisionou o Espaço Pasargada/FUNDARPE e foi um dos maiores animadores do Carnaval do Recife com o seu "Baile dos Artistas". O seu apelo, que é de um jornalista e escritor que se diz "em situação desesperadora", como revela de forma dramática e comovente à jornalista e amiga Leda Rivas, deve servir, acreditamos, para despertar as consciências e sensibilidades de dirigentes, administradores públicos e da comunidade artística e literária de Pernambuco. É hora de solidariedade e da contribuição de todos.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Lançamento no Recife, em 2014, da antologia "Em nome do Brasil"

Poemas escritos e publicados nos séculos 20 e 21, tendo o Brasil como tema único, serão reunidos na antologia EM NOME DO BRASIL, programada, pela Panamérica Nordestal Editora, do Recife, para lançamento em abril de 2014. Com a participação de mais de 40 autores brasileiros, a antologia apresentará, entre outros, poemas de Alberto da Cunha Melo, Arnaldo Tobias, Ary Sergas Santos, Ascenso Ferreira, Celina de Holanda, Gilberto Freyre, Manuel Bandeira, Marcus Accioly, Maria de Lourdes Hortas, de Pernambuco; Alberto Beuttenmuller, Álvaro Alves de Faria, Dalila Teles Veras, Mário de Andrade, Renata Pallotini, de São Paulo; Carlos Drummond de Andrade e Paulo Mendes Campos, de Minas Gerais; Bandeira Tribuzzi, Ferreira Gullar, Wilson Araújo de Souza, do Maranhão; Fagundes de Menezes, do Rio Grande do Norte; Jorge Tufic e Luciano Maia, do Ceará; Moacyr Félix, Olga Savary, Vinicius de Moraes, do Rio de Janeiro; Nicolas Behr, de Brasília; Orlando Tejo, da Paraíba; Thiago de Mello, do Amazonas.

"Poetas brasileiros que nasceram literariamente neste Século 21, com os seus textos publicados até 2013, serão naturalmente incluídos na antologia. Nossa única exigência é o tema : o Brasil", afirma o poeta e editor Juareiz Correya, responsável pela organização do livro. Mais informações : panamerica.nordestal@oi.com.br e juareizcorreya@hotmail.com

DISCURSO POÉTICO, 2

ao poeta Lara Miranda



Guarda o meu poema
no caderno do teu corpo
e desdobra sua carne à luz
e proclama sua liberdade ao vento
sua terra e suas águas
deixa que estourem da tua boca
e incendeiem os corações dos homens
para renascer suas vidas
e recriar a humanidade.



JUAREIZ CORREYA
Recife, julho / 2010.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

UNA, de Daniel Panno

U N A



Medo irreverente
Ou teimosia displicente ?
Povo cabeça-dura,
Insistente !


Edificas tua casa,
Insolente,
Na fauce-mesma
da glutona enchente !




Recife, junho/2010.


_____________________

DANIEL PANNO é argentino. Vive em Pernambuco
há 6 anos. Professor, músico e webdesigner.

terça-feira, 6 de julho de 2010

INTERPOÉTICA - 5 anos a serviço da cultura pernambucana

Em comemoração aos 5 anos divulgando a cultura pernambucana, os editores Cida Pedrosa & Sennor Ramos convidam para o lançamento da nova plataforma do site INTERPOÉTICA (http://www.interpoetica.com), nesta quarta-feira, dia 7 de julho, a partir das 7 horas da noite, no Espaço MUDA (Rua Capitão Lima, 280, Santo Amaro, Recife, PE).
O INTERPOÉTICA, que também pode ser seguido no Twitter (http://twitter.com/interpoetica) é o maior site literário de Pernambuco e o primeiro ponto de cultura virtual do Estado. No INTERPOÉTICA, o internauta acessa as seções Cardápio de Poesia (poemas de inúmeros autores, sobretudo nordestinos,vivos e já "encantados"), Poetas na Rede (publicações de mais de 30 poetas pernambucanos), Corda Virtual (espaço único, alternativo, exclusivo para a poesia popular), O Poeta e Sua Voz (radiodifusão de textos gravados pelos próprios autores), Figura da Vez (Textos críticos sobre mais de 20 poetas nordestinos consagrados), Entrevista (mais de 30 autores contemporâneos), Colunas (de jornalistas e escritores pernambucanos), uma irreverente Galeria de Mortais (20 tamboretes), Contexto (livros virtuais, artigos, memória fotográfica, especiais) e Eventos (que atualizam os leitores com os acontecimentos literários e artísticos de Pernambuco).
No lançamento do INTERPOÉTICA será exibido o curta PSIA, dirigido por Mariane Bigio. E tem microfone aberto para a poesia do Recife.

domingo, 4 de julho de 2010

NORDESTE e RIO UNA, de Jayme Griz

N O R D E S T E


Verão !
Sol quente de tinir !
Sol quente de rachar o chão !


De repente
Chuva
Chuva
Chuva
Chuva
Chuva de danar a paciência !
Chuva de sapo pedir aos céus clemência !


..............


Mãe Natura endoideceu...


E se Ela,
Que é Mãe,
Que é Sábia,
Que é Única,
A cabeça perdeu...


Quanto mais eu...
Quanto mais eu...



(Da antologia POETAS DOS PALMARES,
3a. edição, Palmares, PE, 2002)

________________________________________


R I O U N A

A Capiba


Rio Una,
Rio Una,
Rio bom de navegar,
Se dele vivo tão longe,
Nele estou sempre a pensar.


Suas águas vêm de longe,
De bem longe a caminhar,
Contam elas mil histórias,
No seu doce marulhar.


Rio Una,
Rio Una,
Rio bom de navegar,
Se dele vivo tão longe,
Nele estou sempre a pensar.


Quando à noite a lua cheia
Sobre as águas vem boiar,
Soam vozes de Sereia
Entre os juncos a cantar.


Rio Una,
Rio Una,
Rio bom de navegar,
Se dele vivo tão longe,
Nele estou sempre a pensar.



(Do livro ACAUÃ,
1a. edição, Recife, 1959)


_____________________________________________

JAYME GRIZ nasceu em Palmares (PE). Membro
da Academia Pernambucana de Letras, faleceu
no Recife em junho de 1981.

sábado, 26 de junho de 2010

JORNALISMO & LITERATURA

"O jornalismo é muito influenciado pelas condições culturais gerais. Ele é parte. Ajuda a formar essas condições e é influenciado por condições mais amplas. Estamos saindo de um certo rebaixamento cultural. Isso prejudicou o jornalismo porque ele vive em torno de idéias. E houve um rebaixamento na disputa ideológica. De um modo geral,como precisa vender, popularizou-se no mau sentido. Fica fazendo capa do tipo auto-ajuda. Coisas do tipo como emagrecer, etc. São conceitos que não são bem jornalismo. Ele é político, cultural, econômico, não é livro de receitas. A imprensa faz isso para ganhar dinheiro. E isso é uma perda."



(RAIMUNDO PEREIRA, criador e editor dos históricos jornais alternativos "Opinião" e "Movimento" - em entrevista ao Jornal do Commercio, Recife, 22/abril/2007)

quarta-feira, 23 de junho de 2010

RETRATO DO ARTISTA QUANDO JOVEM, de José Saramago

Há na memória um rio onde navegam
Os barcos da infância, em arcadas
De ramos inquietos que despregam
Sobre as águas as folhas recurvadas.


Há um bater de remos compassado
No silêncio da lisa madrugada,
Ondas brancas se afastam para o lado
Com o rumor da seda amarrotada.


Há um nascer de sol no sítio exacto,
À hora que mais conta duma vida,
Um acordar dos olhos e do tacto,
Um ansiar de sede inextinguida.


Há um retrato de água e de quebranto
Que no fundo rompeu desta memória,
E tudo quanto é rio abre no canto
Que conta do retrato a velha história.



_______________________________

"Homenageando o grande escritor português
que partiu recentemente, envio um poema dele,
que talvez surpreenda a quem não conheceu
a sua poesia." (MARIA DE LOURDES HORTAS /
E-mail datado de 22/junho/2010).

sábado, 12 de junho de 2010

Teatro Cinema Apolo : "mais novo" com 96 anos

O Governo Eduardo Campos reabriu, nesta quarta-feira (9 de junho), dia do 131o. aniversário de emancipação do Município dos Palmares, o TEATRO CINEMA APOLO, sede da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, patrimônio estadual pernambucano tombado pela FUNDARPE na última década do século passado. Restaurado e reformado, neste ano do seu 96o. aniversário de fundação (datada de 6/dezembro/1914), o Teatro Cinema Apolo volta à atividade, no município dos Palmares, para servir novamente ao desenvolvimento cultural dos palmarenses e dos cidadãos da região Mata Sul de Pernambuco. É o seu destino, espaço cultural irradiador da vida artística local desde a segunda década do século passado e que, após um breve período de inatividade, ameaçado de fechar e de se transformar em um banco, igreja evangélica ou loja de eletrodomésticos, foi salvo, em 1983, para a perenidade da sua história, pela ação empreendedora do então prefeito Luiz Portela de Carvalho, ao adquirir o edifício para a Prefeitura dos Palmares com o objetivo de transformá-lo em sede da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, criada em seu governo.

Hoje, faltando 4 anos para completar um século, o Teatro Cinema Apolo está "novinho em folha", para alegria e orgulho dos palmarenses e das comunidades da região. A sua reforma e melhoria é uma obra garantida pela competência técnica da FUNDARPE, patrocinada pelo PROMATA - Programa de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável da Zona da Mata de Pernambuco/ Secretaria Especial de Articulação Regional/ Governo de Pernambuco, em convênio com o Banco Mundial. Os investimentos - na ordem de R$ 1.900.000,00 - foram devidamente aprovados "de acordo com a louvável iniciativa da Comissão Temática de Cultura do PIM - Programa de Investimento Municipal, do PROMATA - Palmares, em 2003. Aprovado o projeto nesse tempo, só o atual Governo Eduardo Campos é que viabilizou o empreendimento", como já tivemos oportunidade de registrar em artigos publicados no DIARIO DE PERNAMBUCO ("O Apolo, Hermilo, Arraes e Eduardo", de 31/julho/2008, e "O Governo de Pernambuco e a Fundação Hermilo", de 11/junho/ 2009).

Vale a pena ressaltar, por uma questão de respeitosa justiça, a decisiva participação de educadores, poetas, músicos, artistas plásticos e cênicos, e artesãos pernambucanos que integraram a Comissão Temática de Cultura do PIM, do PROMATA-Palmares, lutando pela reforma e melhoria do Teatro Cinema Apolo (fechado por causa do desabamento de parte da sua coberta, em 2001), em sua histórica ação no ano de 2003 : José Rodrigues de Lima, Silvana Maria do Nascimento, Ginaldo Napoleão de Barros, Zé Ripe, Miriam Santos de Lima, Edna Santos de Lima, Gleide Vasconcelos Silva, Maria José Balbino,Deny Cesar, Sandro Ricardo Agrelli e este articulista, então presidente da Fundação Hermilo.

Agora reaberto em festa mais do que justificada dos governos municipal e estadual, o Teatro Cinema Apolo, com certeza, voltará à cena cultural de Palmares e de Pernambuco com as suas atividades naturais de teatro e de cinema, em seu palco aberto também para a dança e para a música, e promovendo, em seu privilegiado auditório, palestras, debates e encontros culturais que reflitam o seu importante papel de teatro mais antigo do Interior do Estado e de sede da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, a primeira fundação cultural criada no Interior de Pernambuco. Uma instituição municipal que, por suas ações abrangentes, já representa a cultura de toda a região Mata Sul pernambucana.


______________________________

JUAREIZ CORREYA é ex-presidente
da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho

sábado, 5 de junho de 2010

LIBROS & LETRAS - Revista Cultural da Colômbia e América Latina

A revista eletrônica LIBROS & LETRAS (http://www.librosyletras.net), da Colômbia, dirigida pelo escritor Jorge Consuegra, edita e envia newsletters, diariamente, a assinantes interessados, veiculando o seu Boletim "Libros & Letras - Agência de Notícias Culturales" (o mais recente, deste dia 6 de junho,registra o No. 5.334). O Boletim divulga mais de 10 seções literárias e, a cada edição, destaca, na seção "El Rincon del Poeta",um poema/um autor latino-americano. A revista LIBROS & LETRAS, com essa seção, manifesta o objetivo de organizar um grande DICIONARIO LATINOAMERICANO DE POETAS e, por isso, conta com a participação de todos os que escrevem poesia na América Latina, solicitando o envio de poemas e de uma nota biográfica breve ( máximo de 100 palavras) para este endereço : culturalibrosyletras@gmail.com

domingo, 30 de maio de 2010

UM POETA COM OS PÉS NO CHÃO, de Pelópidas Soares

Apresenta-se um jovem do seu tempo, envergando jeans desbotados, blusão aberto ao peito, os cabelos soltos ou presos por uma fitinha. Começa a falar, as terras banhadas pelo Una e Pirangi saltam, em relevo, como um mapa tridimensionado : toda a força telúrica da região, o massapê generoso da Mata Sul, que já plasmou Ascenso Ferreira, Hermilo Borba Filho e Jayme Griz, ressaltam das suas palavras.

A sua poesia carrega a angústia da fase transitória de sua geração que aguenta o peso da tragédia dos nossos dias prenhes de incertezas. Geração que fecha as portas de um passado e abre as portas para um futuro, em que o homem, o mais adaptável dos animais, vencerá, afinal ! Mesmo que tenha de erguer-se do caos.

Dentro do seu jeito extravagante, Juareiz Correya é um homem sério. Mais do que muitos executivos rodeados de secretárias e telefones. Telefones que se comunicam apenas com o vazio.

Tenho muita fé neste jovem poeta : saco nele como quem faz um investimento a curto prazo.


(Catende, 1975)

_____________________________________

Apresentação do livreto
AMERICANTO AMAR AMÉRICA & OUTROS POEMAS,
de Juareiz Correya (Nordestal, Recife, 1975)

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Poema de Olavo Bilac, plagiado, fica em 35.o lugar em concurso de Jundiaí (SP)




"Armas, num galho de árvore, o alçapão
E, em breve, uma avezinha descuidada,
Batendo as asas cai na escravidão.
Dás-lhe então, por esplêndida morada,
Gaiola dourada;


Dás alpiste, e água fresca, e ovos e tudo.
Por que é que, tendo tudo, há de ficar
O pássaro mudo,
Arrepiado e triste sem cantar ?
É que, criança, os pássaros não falam...
Só gorjeando a sua dor exalam,
Sem que os homens os possam entender;
Se os pássaros falassem,
Talvez os teus ouvidos escutassem
Este cativo pássaro dizer :


Não quero o teu alpiste !
Gosto mais do alimento que procuro
Na mata livre em que voar me viste..."

(O PÁSSARO CATIVO, fragmento)




"O Pássaro Cativo", conhecido poema de Olavo Bilac, membro fundador da Academia Brasileira de Letras, obteve a 35a. colocação no Concurso de Poesia realizado pela Associação Preservação da Memória da Companhia Paulista, de Jundiaí (SP).
O poema foi enviado por um dos participantes que, assinou com pseudônimo, como exigia o regulamento. Após a classificação de 50 poemas e publicação em revista, a falha da organização foi percebida. "A primeira edição do concurso foi decepcionante. Ficamos frustrados e não vamos mais realizar uma próxima edição no ano que vem em função do que ocorreu", lamenta o presidente da Associação, Eusébio Pereira dos Santos.


..............................


A informação acima, transcrita de um e-mail, sobre essa "classificação" do texto de autoria de Olavo Bilac, apresentado por um concorrente desonesto, é da poetisa Delasniev Daspet, Embaixadora para o Brasil do Movimento Poetas del Mundo (http://www.poetasdelmundo.com)
O episódio é lamentável e se sabe que não é único : textos de outros poetas de projeção, como é o caso de Vinicius de Moraes, citado por membros da comissão julgadora do concurso de Jundiaí, são também usados por "poetas desonestos" ou pessoas que não escrevem nada e têm apenas a intenção de esculhambar e desacreditar os concursos literários.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

"Encontro Literário da Mata Sul de Pernambuco" em Palmares

Palestras, debates, lançamentos, feira de livros, recital de poesia, teatro, música, no palco do Teatro Cinema Apolo e espaços da FAMASUL e FACIP, de Palmares, fazem parte da programação do "1.o ENCONTRO LITERÁRIO DA MATA SUL DE PERNAMBUCO", de 23 a 26 setembro deste ano. Organizado pela União Brasileira de Escritores - seção de Pernambuco (UBE-PE) e Panamérica Nordestal Editora, o encontro objetiva "relevar a produção literária e editorial de uma das regiões mais fecundas do universo literário do Estado", afirmam os organizadores.

Lembrada como culturalmente rica, "a própria região ainda não conhece direito essa riqueza, notadamente literária, projetada no Nordeste e nacionalmente desde as primeiras décadas do Século XX, como atestam as publicações de Arthur Griz, Ascenso Ferreira, Jayme Griz, Hermilo Borba Filho, Luiz Berto (Palmares), Aristóteles Soares, Pelópidas Soares, Bartyra Soares, Gasparino Damata (Catende), Ruy de Ayres Bello, Odete Vasconcelos (Barreiros),Laurênio Lima (Ribeirão), entre outros do passado e do presente."

domingo, 23 de maio de 2010

POESIA - PRA VIVER A VIDA ! (Sérgio Bernardo)

NATAL


Há muitas cruzes
pouco pão
e nenhum peixe
no chão dos mangues,
e as ovelhas
brancas de isonor
saem nessa noite
para o presépio burguês
enquanto lá na margem
do rio
próximo ao palácio
os cristos em silêncio
esperam o milagre
para dividir o pão.


...............................


POR ALGUMAS PALAVRAS A MAIS


Esse é o mundo dos submissos
Todos obedecem
Todos se acovardam
Por uma moeda a mais
Por uma promessa de paz
Por um posto a mais
Por um luxo de gabinete
Ou por um banquete
Por uma mulher a mais
Ou por algumas doses
De Ballantines.


(Revista POESIA - PRA VIVER A VIDA !,
número 1, Nordestal Editora, Recife, abril/1980)


____________________________________

SÉRGIO BERNARDO - Nasceu no Recife em 1942.
Escreve regularmente desde 1963. Publicou
alguns poemas em jornais recifenses. Os
poemas inseridos neste número de POESIA -
PRA VIVER A VIDA ! pertencem ao seu primeiro
livro publicado - NASCENTE DE PUNHOS -
pela Edições Pirata, Recife, 1979.

sábado, 22 de maio de 2010

PORTUGAL TELECOM 2010 : 5 escritores nordestinos na semifinal

Mais de 50 semifinalistas do Prêmio Portugal Telecom : cinco são escritores nordestinos, em MUNDO LIVRO (http://wp.clicrbs.com.br/mundolivro)
Três nordestinos de Pernambuco semifinalistas : Raimundo Carrero, Sidney Rocha e Lucila Nogueira. Um nordestino de Sergipe ( Antonio Carlos Viana )e um da Bahia (João Ubaldo Ribeiro).

Constatação preocupante para a vida cultural do Nordeste brasileiro : os 5 autores dessa semifinal não têm os seus livros publicados por editoras
nordestinas. Quer dizer, as editoras nordestinas não têm vez nesse luso-brasileiro Prêmio Portugal Telecom. Antes eram discriminadas as pequenas. Elas lutaram e conquistaram espaço. Hoje são as nordestinas, grandes e pequenas, oficiais ou não. Para o Portugal Telecom, nada, editorialmente, acontece por aqui. Vamos lutar ?

Estes são os autores nordestinos semifinalistas com os seus livros e respectivas editoras do Sudeste : A MINHA ALMA É IRMÃ DE DEUS, de Raimundo Carrero (Record), CINE PRIVÊ, de Antonio Carlos Viana (Companhia das Letras), MATRIUSKA, de Sidney Rocha (Iluminuras), O ALBATROZ AZUL, de João Ubaldo Ribeiro (Nova Fronteira) e TABASCO, de Lucila Nogueira (Selo Off FLIP).

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Literatura : a ditadura do gosto acadêmico e do empreendimento comercial

"Módulo Literatura : entre cânones e best-sellers, a ditadura do gosto", curso promovido pelo Centro Cultural Banco do Nordeste - Teresina e a Diretoria Cultural da Fundação Joaquim Nabuco, de 25 a 28 deste mês, ministrado pela professora e pesquisadora Zuleide Duarte (UEPB, de Campina Grande), "propõe uma reflexão sobre a ditadura do gosto acadêmico e do empreendimento comercial - instâncias definidoras, para muitos, das leituras que não escolhemos livremente mas a que somos induzidos", informa Luciano Sá, da assessoria do Centro Cultural-BNB.

O curso será realizado na Superintendência do BNB - Piauí (Rua Rui Barbosa,163 - Centro - Teresina. Fone 86-32168681)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

AMERICANTO AMAR AMÉRICA : lançamento em Palmares

O Departamento de Letras da FAMASUL - Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul/Prefeitura dos Palmares promove, na próxima sexta-feira, 14 de maio, às 19 horas, o lançamento do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, do poeta e editor Juareiz Correya, com o apoio da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, Secretaria de Educação dos Palmares, CDL-Clube dos Diretores Lojistas e Rádio Cultura dos Palmares.

Nascido em Palmares (PE), o autor volta à cidade natal onde se destacou com o projeto de criação da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, que presidiu em dois períodos distintos (1984/1987 e 1997/2004). O poeta explica que o lançamento do seu livro em Palmares, assinalando 40 anos de sua produção poética, "é antes de tudo um compromisso sentimental e espiritual, pois devo a Palmares não só o meu nascimento; devo também o nascimento da minha poesia, cidade onde publiquei o meu primeiro poema, em janeiro de 1970, e, em 1975, o poema-título - Americanto Amar América - escrito em São Paulo no ano de 1972."





RELANÇAMENTO NO RECIFE



A convite do professor Antonio Gouveia, AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 será relançado no Colégio e Faculdade Santa Maria, do Recife, quarta-feira, dia 26/maio, com palestra especial do autor. No segundo semestre, ocorrem lançamentos em Olinda, Cabo de Santo Agostinho, Vitória de Santo Antão, Ipojuca, Caruaru e Garanhuns. Serão realizados também lançamentos em Maceió, João Pessoa, Natal, Fortaleza, Salvador,São Paulo e Santo André, a cidade mais importante do Grande ABC paulista, onde o poeta viveu e foi colunista de arte do "Diário do Grande ABC", de 1971 a 1972.



____________________________

Transcrito do JORNAL DO JUAREIZ
(http://blig.ig.com.br/juareizcorreya)

quinta-feira, 29 de abril de 2010

CASA DA POESIA no Recife : Antonio Botelho, Fernando Araújo e Lourdes Sarmento

Na primeira terça-feira de cada mês, a partir do dia 4 de maio deste ano, a Panamérica Nordestal Editora e a Revista ENCONTRO (GPL-PE)promovem o Projeto CASA DA POESIA no auditório do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco (Rua Imperador Pedro II, 290, Santo Antonio, Recife, PE). A entrada é franca para estudantes, professores e admiradores da poesia em geral.

O primeiro encontro, terça-feira, dia 4 de maio, às 17 horas, apresenta os poetas pernambucanos Antonio Botelho (Recife), Fernando Araújo (Palmares) e Lourdes Sarmento (Recife), que vão expor ao público presente informações sobre as suas vidas e os seus textos publicados ou inéditos. Nessa ocasião, CASA DA POESIA homenageará o 115o. aniversário de nascimento do poeta pernambucano Ascenso Ferreira, nascido, no dia 9 de maio/1895, em Palmares, e falecido, no dia 5 de maio/1965, no Recife. Os poetas Juareiz Correya, Fernanda Jardim e José Terra são responsáveis pela organização da CASA DA POESIA.



OS POETAS DE MAIO



ANTONIO BOTELHO nasceu no Recife (PE) em maio de 1967. Advogado, funcionário público federal. Vive em Brasília (DF). Vencedor do Concurso Mauro Mota de Poesia (Recife, 1994). Poemas publicados em revistas e jornais de Pernambuco. Livros de poesia publicados : A PALAVRA NOME, O CÍRCULO DAS SOMBRAS. Publica, neste ano de 2010, O NÁUFRAGO (Coleção Invenção de Poesia / Editora Arribaçã, Recife).


FERNANDO ARAÚJO nasceu em Palmares (PE) e vive em Olinda. Atualmente é secretário de Turismo, Cultura e Esportes da Prefeitura Municipal de Igarassu(PE). Poemas publicados no "Suplemento Literário" do Diário de Pernambuco. Livros de poesia publicados (desde a década de 1980) : UM BOLERO PARA LURRAN, TEMPOS NUS, REINCIDÊNCIA, TRANSE DAS HORAS, OBSERVATÓRIO DE ABSTRAÇÕES.


LOURDES SARMENTO nasceu no Recife. Poetisa, ficcionista, biógrafa e jornalista, organizou e publicou antologias poéticas nordestinas e brasileiras. Participação em mais de 80 antologias publicadas no Brasil e no Exterior (França, Portugal, Peru). Publicou a antologia POÈSIE DU BRÈSIL (França, 1997). Livros de poesia publicados : POEMAS DO DESPERTAR, EXPLOSÃO DAS MANHÃS, AMOR NOS TRÓPICOS, OLHOS DE TIGRE, GUARDIÃ DAS HORAS, A POESIA É ETERNA, 50 POEMAS ESCOLHIDOS PELO AUTOR.



_________________________________________

Transcrito do blog CASA DA POESIA
(http://juareizcorreya.blogspot.com)

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Laboratório de Autoria Ascenso Ferreira, do SESC-Santa Rita, apresenta ações de 2010

Em solenidade de abertura,amanhã, dia 29, às 19 horas, o Laboratório de Autoria Ascenso Ferreira, do SESC-Santa Rita / Recife, sob a supervisão de Rita Marize Farias, promove a apresentação oficial do seu plano de ação,
que se estenderá até dezembro/2010, com palestras, debates, oficinas de criação e interpretação de textos, exposições, teatro, música e lançamentos de livros. Destaque especial para a literatura brasileira (sobretudo a produção pernambucana) e as literaturas africanas de Língua Portuguesa.
A solenidade de abertura, nesta quinta-feira (29), conta com a participação do escritor mineiro Affonso Romano de Sant'Anna, em um debate mediado pelo professor Lourival Holanda. Na ocasião, o escritor mineiro relançará o seu livro de poesia QUE PAÍS É ESTE ?
Sexta-feira (dia 30), o Laboratório de Autoria Ascenso Ferreira (Rua Cais de Santa Rita, 156 - São José, Recife) apresentará as professoras Elisalva Madruga, Rita Chaves e Zuleide Duarte em palestra sobre literatura africana de Língua Portuguesa.


Mais informações : http://www.interpoetica.com e telefone 32247577 (ramal 214).

segunda-feira, 26 de abril de 2010

AMERICANTO AMAR AMÉRICA em livrarias e bancas do Recife

Lançamento da Panamérica Nordestal Editora, do Recife, o livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, de Juareiz Correya - que assinala 40 anos de poesia desse autor pernambucano - está circulando nas principais livrarias e bancas de jornais da cidade : Livraria Jaqueira (Graças), Idéia Fixa (Shopping Parnamirim), Módulo (Casa Forte), Imperatriz (Boa Vista e Shopping Tacaruna), Poty Livros (Boa Vista), e nas bancas Livro Magazine (Rua 7 de Setembro), Globo e Guararapes (Av. Guararapes).

AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 reune mais de 80 poemas escritos e publicados por Juareiz Correya, dos anos 70 aos anos 90 do século passado, e reproduz a quadrinização do poema "Americanto Amar América", de 1975, criada pelo desenhista pernambucano Roberto Portella e publicada em álbum, no Recife (1993), em coedição da Nordestal Editora e Edições Bagaço. O volume apresenta ainda opiniões, sobre o poeta e o poema, de Pelópidas Soares, João Batista de Queiroz, Hermilo Borba Filho, Mauro Mota, Paulo Azevedo Chaves, Geneton Moraes Neto, Jaci Bezerra, Leda Rivas, Montez Magno, Eduardo de Lucena, Antonio de Campos, Graça Lins, Anamélia Maciel, Potiguar Matos e Nagib Jorge Neto.

O livro também pode ser adquirido diretamente com o autor : 81-86852194 / juareizcorreya@hotmail.com

sábado, 24 de abril de 2010

Lúcidas confissões de Lucila Nogueira no Twitter

Criaram uma mitologia em torno de mim a partir dos anos 90


Nunca me incomodei porque estava sempre trabalhando muito ocupada e com responsabilidades imensas


Fui nessa brincadeira pai e mãe das minhas filhas pois meu marido fazia o tipo delicado e frágil como muitos artistas


Trabalho desde os dezessete anos nos estágios de professora junto com o curso do pré-vestibular


Entrei com dezessete na Faculdade de Direito do Recife e me formei com 22


Com 21 e 22 anos fiz estágio do Ministério Público, da Fazenda e da Assitência Judiciária


Nesse tempo já tinha um emprego público no Tribunal de Contas do Estado, desde o início de 1971


Deixei de ser auditora do Tribunal de Contas para ser promotora de Justiça em 1978


A essa altura já tinha cursado os mestrados de Direito e de Antropologia só não defendi as dissertações


Voltei a estudar em 1986 e dessa vez o mestrado em Letras que terminei com oito meses e meio de gravidez


A dissertação sobre Drummond está na terceira edição e para quem quiser saber eu a escrevi em quinze dias porque estava perto do parto


E com três anos lia para as perplexas alunas da minha mãe no Instituto de Educação os livros do curso de pedagogia


Quem passou no Colégio de São José de 1955 a 1967 sabe muito bem quem era eu


Meu gosto pela literatura veio da solidão das tardes na casa da Rua do Lima


Depois de ler os livros femininos e infanto-juvenis de tia Lucila professora e diretora de duas escolas


Passei a ler os clássicos de tio Arthur pai de Aninha minha prima


A casa da minha avó na Rua do Lima era perto do Canal 2 e eu ia assistir Você faz o Show


Meu primo Roberto pai de Bruno ficava cantando da sala ao corredor até vencer o concurso da tv e ir para o sul


Sempre tive o meu pé no chão embora tenha permanecido artista


Tomei conta do meu marido por trinta anos e dei paz ao seu temperamento dionisíaco


Entrei no magistério acadêmico em 1989 e depois fiz um doutorado dando aulas em várias turmas de graduação


Minha tese sobre Cabral está publicada por retribuição profissional ao meu esforço em organizar importante livro sobre as literaturas africanas


Nunca tive nada fácil nem de graça sempre com muita luta e garra


Mas a partir dos anos 90 começaram a querer diminuir o mérito do trabalho de uma vida


O Governo do Estado de Pernambuco me deve 20 anos de licença prêmio que desconsideraram na aposentadoria


Fui uma promotora de Justiça que nunca precisou levar processo para casa porque sou muito clara e objetiva


Sou advogada por vocação quando surge alguém com um problema já vou logo vendo os vários modos de resolver


Então é maldade essa lenda de que não gosto do Direito porque amo a poesia


Hoje tenho um câncer e luto contra ele tratando de não deixar nenhum livro inédito


Dei conta da vida como filha que não abandonou a sua mãe sozinha ou em asilos


Que chorou a morte do pai um pouco ausente e nunca lhe diminuiu a memória


Que se desesperou na morte do companheiro e mantém o respeito à sua belíssima figura


Que sustentou sendo pobre três anos e meio sua filha do meio na Suécia até ela entrar na universidade e não precisar mais


Que está sempre ajudando sua competente filha mais velha advogada que ainda não foi assimilada inteiramente pelo mercado de trabalho


Que soube embora dilacerada por limites fundamentais na filha mais nova


E aí hoje ela ouviu pela segunda vez o professor da Faculdade particular se referir a mim como MALUCA BELEZA


Depois de lhe ter dedicado civilizadamente um volume da minha tese sobre João Cabral


E aí minha filha mais nova respondeu : minha mãe trabalha desde os dezessete anos e o senhor ao que parece já se formou velho


Uma poeta operária com câncer deve ser respeitada e bem mais que o vulcão Eyjafjallajoekull


Uma poeta / professora / promotora / operária com câncer e sem o seio direito é uma mutação climática que modifica neste seu dia o eixo da terra


___________________________________________

Leia mais.
Siga Lucila Nogueira
(http://twitter.com/lucnog)

quarta-feira, 21 de abril de 2010

A Revista ENCONTRO (apresentação de Maria de Lourdes Hortas)



ENCONTRO chega ao vigésimo sexto ano de publicação, porta-voz do Gabinete Português de Leitura, efetivando um dos propósitos desta Casa, ou seja, estreitar os laços culturais luso-brasileiros.
Nos números mais recentes, vimos alargando os horizontes, trazendo a produção literária dos países que constituem o mundo lusófono, ou seja, aqueles que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa : Angola, Brasil, Cabo-Verde, Guiné, Moçambique, Portugal e São Tomé.
Neste número, logo na abertura, trazemos uma surpresa : José Carlos Venâncio, escritor português nascido em Angola, e hoje radicado em Portugal, tira da gaveta uma entrevista com o escritor macaense Henrique de Senna Fernandes e dá-nos a conhecer alguém que, embora não viva em nenhum país da CPLP, pois mora em Macau, capital de Goa, ex-colonia de Portugal, se expressa em língua portuguesa, ao exercer o seu ofício de escritor.
Em nosso Painel, damos destaque à CPLP, ao acordo ortográfico e à língua portuguesa. E, na seção de ensaios e de crônicas, há textos sobre escritores brasileiros, portugueses e africanos, mescla que cumpre os nossos objetivos. Quanto aos textos de poesia e ficção vêm assinados por brasileiros e portugueses.
Para encerrar esta nota, quero referir a homenagem prestada por ENCONTRO à poetisa pernambucana Maria do Carmo Barreto Campello de Melo, falecida em 2008. Maria do Carmo foi grande amiga desta Casa, de Portugal e das coisas portuguesas e deixou entre nós muita saudade.
Não deixem de ver, na Estante, os livros recebidos pela redação de ENCONTRO. Aí estão registrados e comentados.
Para encerrar, chamo a atenção dos leitores para o primeiro artigo do Painel : nele vem um pouco da história desta Casa e dos desafios que enfrenta para se manter viva e atuante no cenário cultural do Recife.
Boa leitura.
Saudações luso-pernambucanas de Maria de Lourdes Hortas.



_____________________________________

Apresentação de ENCONTRO - Revista
do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco
(Recife, Ano 26, Número 21, 2010)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

OS DESAFIOS DO GABINETE PORTUGUÊS DE LEITURA DO RECIFE, de Humberto França

........................

Estou convencido que a vocação principal do Gabinete Português de Leitura do Recife será sempre a da educação para o estudo da Língua Portuguesa. No entanto, sei que esta Casa se prepara para incorporar jovens luso-brasileiros e brasileiros a fim de, com sangue novo, impulsionar os projetos que ora despontam.

O GPL possui excelentes instalações, equipamentos, localização privilegiada e pessoal. E está pronto para abrir suas portas a novos empreendimentos no mundo da Lusofonia, e discutir, estudar, divulgar a Língua Portuguesa em suas vertentes brasileira e africana, procurando se unir e colaborar com os objetivos determinados pelos governos dos países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa - CPLP. Finalmente, imagino que o Gabinete Português de Leitura do Recife poderá tornar-se um apoio para uma tradicional e respeitável instituição de Portugal, dedicada ao ensino e a expansão da Língua Portuguesa no Mundo.

Concluo, assinalando que, o projeto do Quinto Império, na atualidade, encontra sua verdadeira realização na Lusofonia e, portanto, sendo lusófono, o Gabinete Português do Recife está preparado para refundar os seus propósitos e sua vocação, e produzir ações para a perpetuação do ensino, da promoção e da propagação da sempiterna última flor do Lácio, pois a nossa PÁTRIA, como escreveu Fernando Pessoa, é a LÍNGUA PORTUGUESA. Nela existimos e nos movemos, nela ouvimos as primeiras palavras pronunciadas pelos lábios de nossas mães. Neste idioma melodioso, escutaremos os derradeiros sons de nossas vidas e em Português haveremos de dizer o nosso definitivo "sim" à almejada eternidade.


__________________________________________

Trecho do artigo "Os desafios do Gabinete
Português de Leitura do Recife, de Humberto França
(Revista ENCONTRO, número 21, ano 26, Recife, 2010)

sábado, 17 de abril de 2010

Revista ENCONTRO : literatura luso-brasileira em festa no Recife

A Revista ENCONTRO (Recife,PE,No.21,Ano 26,2010), será lançada nesta quinta-feira, dia 22 de abril, às 19 horas, pelo Gabinete Português de Leitura de Pernambuco (Rua Imperador Pedro II, 290, Santo Antonio, Recife, PE). A poetisa luso-brasileira Maria de Lourdes Hortas, diretora do periódico anual da centenária instituição portuguesa, ressalta que "nos números recentes, vimos alargando os horizontes, trazendo a produção literária dos países que constituem o mundo lusófono, ou seja, aqueles que integram a Comunidade de Países da Língua Portuguesa : Angola, Brasil, Cabo-Verde, Guiné, Moçambique, Portugal e São Tomé."

O número 21 da Revista ENCONTRO apresenta uma entrevista do escritor macaense Henrique de Senna Fernandes, concedida a José Carlos Venâncio; artigos de Humberto França ("Os desafios do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco"), Marco-Aurélio de Alcântara ("CPLP - Utopia ou Realidade ?"), Nelly Carvalho ("Nova ortografia de língua portuguesa") e de Tereza Halliday ("A força do Português); ensaios de Antonio de Abreu Freire ("Camões e Vieira"), José Haroldo Queiroga ("O Mitopoético Vôo do Flamingo"), Lenilde Freitas ("As vozes do Morto"), Maria de Lourdes Hortas ("A questão da identidade na ficção de Lídia Jorge"), Wanilda Lima Vidal de Lacerda ("Nos caminhos da Casa Materna") e de Zuleide Duarte ("Os lençóis branqueados da identidade maculada"); crônicas de Arnaldo Saraiva ("Um coração maior que o mundo"), Dagoberto Carvalho Jr. ("A Confraria de Eça de Queirós e a Revista Portugal")e de Cyl Gallindo ("De Autores e Livros"); ficção de Luiz Manoel Paes Siqueira ("Banzai, Cariri"), Juareiz Correya ("A Via-Crúcis de Paulo Bruscky") e de Valdecírio Teles Veras ("Notações"); e a poesia dos brasileiros e portugueses Anderson Braga Horta, Antonio Salvado, Aricy Curvello, Astrid Cabral, Maria da Paz Ribeiro Dantas, Teresa Vieira e Delmar Rosado. A revista publica ainda um depoimento de Wellington de Melo sobre a morte da poetisa Maria do Carmo Barreto Campello de Melo e a coluna "Estante", com registros de livros recebidos, sob a responsabilidade de Lourdes Sarmento.

__________________________________________________________________

Pedidos da Revista ENCONTRO devem ser encaminhados à sede da instituição, a Maria de Lourdes Hortas (mlhortas@hotmail.com) ou p/ telefones (81) 33269199 / 32292002.