sábado, 2 de novembro de 2013

SESC SANTA RITA "MOSTRA ASCENSO MINHA LÍNGUA", NOSSA LÍNGUA BRASILEIRA !





     Escrever, reescrever, ler, reler, publicar, republicar, dizer, cantar, declamar, rezar, dançar, interpretar, reinterpretar, teatralizar, desenhar, pintar, fotografar, cinegrafar, videografar, lembrar, louvar, festejar o poeta Ascenso Ferreira tem enriquecido a cultura nordestina contemporânea, das duas últimas décadas do século 20 até esta segunda década do século que vivemos.  Poeta do seu tempo, o modernista pernambucano evocou e eternizou um "Brasil intocável", como bem ressaltava o escritor paulista Sérgio Milliet, e a palavra autêntica de Ascenso traduziu, com o seu jeito crítico de ser nordestino, as transformações da vida brasileira, notadamente nesta região, na primeira metade do século passado.  

     O compromisso do SESC - Serviço Social do Comércio -, em Pernambuco, com a grandeza do nome e da obra de Ascenso Ferreira, desde a criação pioneira, em 2008, do Laboratório de Autoria Literária Ascenso Ferreira, do Sesc Santa Rita (São José, Recife), tem sido mais significativo e relevante do que o das secretarias de educação e de cultura e de centros e fundações culturais da sua cidade natal - Palmares -, da sua segunda pátria - Recife -, e do Estado de Pernambuco, universo natural da sua nordestina poesia. Mais do que uma homenagem institucional exemplar, que releva, no dia-a-dia da capital pernambucana a obra e  a vida de um dos maiores poetas de Pernambuco em toda a sua história, o Laboratório se mantém como um centro vivo dinamizador de conhecimentos e experiências criativas literárias e artísticas contemporâneas.  O que é bem do espírito do seu patrono.    

     Neste ano de 2013, sob a curadoria de Cida Pedrosa e Sennor Ramos, competentemente apoiados pelo trabalho de supervisão cultural de Rita Marize Farias e de Emanuella de Jesus, o Laboratório de Autoria Literária Ascenso Ferreira desenvolveu, para além do Recife, com a participação de outras unidades do SESC, uma multifacetada programação anual de cultura que chega à sua fase de conclusão por onde devia ter começado - como um recomeço que nos convida para uma nova e permanente realização nos anos que virão : a MOSTRA ASCENSO MINHA LÍNGUA (um declarado e exclusivo elogio à Nossa Língua Brasileira !)

     E, como vem acontecendo quando o poeta é lido e ouvido, na MOSTRA ASCENSO MINHA LÍNGUA várias linguagens artísticas se uniram, pela magia do catimbó da poesia de Ascenso Ferreira, no Sesc Santa Rita, Mercado de São José, Estações do Metrô do Recife, Ruas e Becos do Recife Antigo, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães e Bibliotecas do Recife.  "Feiticeiramente...", como ele poderia dizer no seu poema História Pátria, novos poetas pernambucanos (Ivan Marinho Filho, Luna Vitrolira, Mariane Bigio, André Monteiro, Márcia Maracajá, Diogo Testa, Clécio Rimas, Allan Sales, Hilda Torres) lhe dedicaram versos e interpretaram seus poemas, recitando e realizando performances intuitivas, seguidos de novos nomes (Adriano Cabral, Bang Flava, Maria Agrelli, Silvana Menezes, Trupe Ensaia Aqui e Acolá) da cena teatral do nosso Estado; artistas plásticos e visuais (Clarissa Dutra, Sérgio Santos, Augusto Barros Filho e Anderson Oliveira) se identificaram e multiplicaram e integraram, com impressões particulares, mais traços cores imagens à poética inspirada e inspiradora de Ascenso Ferreira; e não poderia faltar a equilibrada presença de pesquisadores e estudiosos locais (que são importantes e sabem reconhecer a importância do poeta, a exemplo de Pedro Américo de Farias e Lourival Holanda); até mesmo uma nova culinária pernambucana - para lembrança feliz dos atos de bem comer e beber de Ascenso -, com o dedicado profissionalismo de Beth da Matta, passou a compor o conjunto de interpretações e vivências emocionadas que os versos de Ascenso Ferreira despertam e sensibilizam motivando encantamento e criatividade. (Texto de JUAREIZ CORREYA)