quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

UM SÉCULO DE IMPRENSA OFICIAL EM PERNAMBUCO - Texto de Juareiz Correya







IMPRENSA OFFICIAL 
DO ESTADO DE PERNAMBUCO 
(Número 1, primeira página / 
14 de janeiro de 1916) 



     Criado e regulamentado por ato do Poder Executivo, em 27 de dezembro de 1915, em pleno Governo Manoel Antonio Pereira Borba (1915 a 1919), circulou, no Recife, no dia 14 de janeiro de 1916, o primeiro número do jornal IMPRENSA OFFICIAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO, destacando, na primeira página, o Ato e o seu Regulamento, que releva, no seu Artigo 1o. : 
     
       "O Governo manterá em officinas proprias um jornal denominado Imprensa Official do Estado de Pernambuco, destinado á publicação de todos os actos do poder executivo, expediente das repartições, serviço das duas casas do Congresso legislativo e do poder judiciario e demais actos que por lei devem ser publicados na folha official do Estado."   

     O jornal era de pequeno porte (tamanho ofício, 8 páginas) "exclusivamente destinado à divulgação dos atos oficiais do Executivo, funcionando a sua administração e as oficinas gráficas numa das dependências do antigo Ginásio Pernambucano", registra o historiador pernambucano Leduar de Assis Rocha no livro Meio Século de Imprensa Oficial em Pernambuco (Imprensa Oficial, Recife, PE, 1966).  O jornal IMPRENSA OFFICIAL circulou até agosto de 1920, extinto, por exigente contenção de despesas em todos os setores da administração, pelo Governador José Rufino Bezerra Cavalcanti (1919 a 1920), que, por motivo de doença, teve de ser afastado do cargo antes do final do mandato, concluído pelos governadores substitutos Otávio Hamilton Tavares Barreto (1920 a 1921) e Severino Marques de Queirós Pinheiro (1921 a 1922).  

      Sucedeu ao IMPRENSA OFFICIAL, no Governo de Sérgio Teixeira Lins de Barros Loreto (1922 a 1926), o jornal DIÁRIO DO ESTADO (Lei No.1626, de 29 de março de 1924), que circulou pela primeira vez no dia 1o. de junho do mesmo ano.  "Era um jornal de grande formato para a época (56 x 42 cms.), com 8 colunas na largura, composto em linotipo e impresso em máquina plana Heidelberg...  Circulava em edição de 8 páginas em média e era editado pela Repartição de Publicações Oficiais, cujas oficinas gráficas estavam localizadas em dependências da antiga Casa de Detenção", documenta o jornalista J. Gonçalves de Oliveira no livro Subsídios à História da Imprensa Oficial em Pernambuco (Companhia Editora de Pernambuco - CEPE, Recife, 1986).  

     Em 22 de dezembro de 1926, a Lei No. 1832, do Governador Estácio de Albuquerque Coimbra (1926 a 1930), cria, sob a denominação de Imprensa Official, a repartição editora do DIÁRIO DO ESTADO.  O ato extingue a Repartição de Publicações Oficiais e todo o seu material passa a fazer parte do patrimônio da repartição Imprensa Official.   

     No Governo Agamenon Magalhães (1937 a 1945), a Imprensa Official mudou-se, em janeiro de 1938, da Casa de Detenção para a Rua da Concórdia, 420, no bairro de São José, do Recife,  e o DIÁRIO DO ESTADO passou a ser denominado DIÁRIO OFICIAL, com circulação do primeiro número no dia 1o. de junho de 1944.   

     A repartição Imprensa Official permaneceu no endereço do bairro de São José durante 29 anos. Em 1967, o Governador Nilo Coelho (Lei No. 6.065, do dia 1o. de dezembro) criou a Companhia Editora de Pernambuco - CEPE, como sucessora dessa repartição, instalada no novo endereço da Rua Coelho Leite, 530, Santo Amaro, Recife, PE, onde permanece até os dias de hoje, em área bem construída e modernamente equipada, mantendo-se em destaque, há décadas, como uma das empresas gráficas e editoriais mais importantes do Nordeste brasileiro.    

     Em seu site oficial (www.cepe.com.br)  a CEPE - vinculada à Secretaria da Casa Civil / Governo do Estado de Pernambuco -  evidencia que "desde a sua criação, se empenha em ser exemplo de modernidade e vanguarda. O investimento em tecnologia e no aperfeiçoamento de rotinas produtivas sempre esteve presente em suas ações.  Pioneira na publicação do DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO, a empresa disponibiliza para consulta universal e gratuita o acervo digital de todas as edições a partir de 1936. A tecnologia empregada permite a busca textual e por datas."    

     O DIÁRIO OFICIAL pode ser acessado no portal da CEPE - www.cepe.com.br -  e, por este site, podem ser acessados também a Revista Continente (sobre manifestações culturais pernambucanas e universais), o Suplemento Pernambuco (dedicado à produção literária), a Cepe Editora (que publica obras relevantes para a cultura pernambucana), o Acervo Documental (conjunto de documentos e imagens digitais que compõem patrimônio memorial de Pernambuco para pesquisadores e estudiosos), Serviços de Digitalização ( Conversão de documentos administrativos ou históricos de qualquer tipo de tamanho para o formato digital) e Serviços Gráficos (produção de livros, revistas, jornais e impressos em geral).   

     O jornalista Ricardo Leitão, atual diretor-presidente da CEPE, lembrou, em seu discurso, na homenagem ao Centenário promovida pela Assembléia Legislativa de Pernambuco (sessão solene realizada no dia 14 / dezembro / 2015), que os resultados alcançados entre 1915 e 2015 são frutos de esforços coletivos : 

       "Remonta ao ato fundador do governador Manoel Borba, em 1915, e passa, em tempos mais recentes, por iniciativas relevantes de outros governadores que impulsionaram a CEPE.  Como Nilo Coelho, em cuja administração foi construída a nova sede; Marco Maciel, quando a CEPE adquiriu a máquina rotativa offset, a primeira de uma imprensa oficial no País; Gustavo Krause e Jarbas Vasconcelos, que investiram na publicação de periódicos culturais; Miguel Arraes, que lançou o primeiro Diário Oficial do País; e Eduardo Campos, com a modernização de todo o parque gráfico."  

       (Recife, dezembro de 2015).